quarta-feira, 10 de outubro de 2018

O VERBETE "CAMOCIM"



Capa do Diccionario Topographico do Império do Brasil. 1984.
Numas destas noites que a insônia chega sem avisar, costumo buscar raridades sobre Camocim no grande oráculo Google. Desta vez, o incômodo foi recompensado e, antes que eu caísse nos braços de Morfeu, deparei-me com o Diccinario Topographico do Imperio do Brasil, obra publicada em 1834. 
O verbete Camocim.

Com avidez, busquei o verbete CAMOCIM, no entanto, o mesmo nada continha sobre o então distrito da Barra do Camocim. A referência era sobre o Rio Camocim que nascia na Ibiapaba e desaguava no Oceano Atlântico, trazendo informações sobre sua localização e limites. Não foi o que eu esperava, mas valeu, mesmo porque, antes do trem, parecíamos apenas ser água e sal...

Fonte: Dicionário Topográfico do Império do Brasil, 1834.

domingo, 7 de outubro de 2018

ELEIÇÕES EM CAMOCIM. HÁ 106 ANOS ATRÁS!

Camocim. Dia de Eleições. 1912. Fonte: Revista da Semana, RJ.


Hoje, 07 de outubro de 2018. Dia de eleições gerais no Brasil para escolha de presidente, governador, senador, deputados federal e estadual. Depois de uma campanha cheia de comédias, tragicomédia, de atos burlescos e até reações que nos deixam aterrorizados diante do que pode estar por vir, os cidadãos aptos vão às urnas fazer suas escolhas. Que pelo menos o dia de hoje não seja marcado por arbitrariedades e que todos possam exercer seu direito legitimamente, sem pressões e/ou outros expedientes escusos.
106 anos atrás, portanto, em 1912, uma imagem que, se não revela a tranquilidade do que era uma eleição no século passado, passa, para a cobertura do fato naquele tempo, um evento que se torna "aspectos cearenses", sem maiores problemas e pacatez. Sem dúvida, naquela época, as tensões e interesses eram outros e em outras proporções.
Da foto, fica registrado o modo de como se ia votar, o cruzamento das atuais rua 24 de Maio com Independência e alguns prédios que não existem mais. Ainda se pode ver a Casa Coelho, antigo prédio da Rádio Pinto Martins e parte da casa da viúva do Sr. Hamilton Rocha.
Bons votos!

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

CAMOCIM. PEDAÇO DO PARAÍSO


O mês de setembro passou, mas, celebrar Camocim deve ser tarefa diária. Através da minha aluna Rozangela Oliveira Ribeiro do Curso de História/PARFOR/UVA/Camocim chegou-me esta poesia que compartilho com os leitores do blog Camocim Pote de Histórias.
Praia das Barreiras. Camocim. 2018. Foto: Adauto Gouveia M. Júnior (facebook).

PEDAÇO DO PARAÍSO 

Camocim terra pacata
 Onde muitos visitam 
Cidade de lindas praias 
E muitos pontos turísticos . 
Tua beleza nos basta 
Mas sempre queremos mais 
Quem esta cidade visita 
Dela não esquece jamais.
 Tu és orgulho 
Pra todo cearense 
E temos mais orgulho ainda 
De sermos 
Camocinense. 
Temos a praia das Barreiras
 O bonito Maceió 
O grande Lago Seco 
Com sua beleza maior. 
Existe o Lago das Cangalhas 
Com sua natureza total 
Que é o Paraíso das Águas 
De beleza original. 

SILVA BRITO

sábado, 29 de setembro de 2018

A LEI DE CRIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CAMOCIM. VIII SET/12

Publicação da Lei de Criação do Município de Camocim. 1879. Fonte: Cearense, Ano XXIV, nº 120, sexta-feira, 31 de outubro de 1879. Fortaleza. CE.


As leis, depois de sancionadas, para terem efeito legal, devem ser publicizadas. Isto é um expediente que existe desde que inventaram as leis. Antes dos jornais, as leis eram anunciadas por funcionários da burocracia em alto e bom som (geralmente nas feiras)ou escritas e transcritas e colocadas em local visível para o conhecimento de todos.
Este pequeno preâmbulo é para destacar a publicação da lei de criação do município de Camocim, sancionada há 139 anos atrás e publicada nos jornais da capital, dois dias depois.
Deste modo, o blog Camocim Pote de Histórias, disponibiliza a seus leitores no mundo todo, de forma inédita, a publicação da Lei Nº 1849, de 29 de setembro de 1879,ano 58º da Independência e do Império, que cria a Villa de Camocim, cujos limites ficaram os mesmos de quando era distrito de Granja, elevando-a à condição de município,  assinada pelo então Presidente da Província José Júlio de Albuquerque Barros, futuro Barão de Sobral, o mesmo, dois anos antes, batera o primeiro prego para a construção da Estrada de Ferro de Sobral em Camocim.
Este e mais outros documentos farão parte de um futuro memorial que está sendo criado na Câmara Municipal de Camocim.


RESTAURANTE POPULAR DE CAMOCIM. O "MOSQUEIRO". VIII SET/11

Restaurante Popular. "O Mosqueiro". Camocim. Fonte: www.tripadvisor.com

Alguma vez você fez alguma refeição no Restaurante Popular? Talvez houvesse alguma hesitação na resposta. Mas, se a pergunta fosse: você já comeu no "Mosqueiro"? Com certeza a grande maioria diria que sim, principalmente aqueles que tem mais de 50 anos e curou uma carraspana do dia anterior, vindo dos bailes do Balneário, Comercial ou Camocim Club. O "Mosqueiro", apesar dessa alcunha pejorativa, entrou para o anedotário popular e serve uma boa comida e de qualidade, principalmente para as pessoas que trabalham e trafegam no Mercado Público de Camocim. No entanto, você sabe a quanto tempo existe este estabelecimento em nossa cidade? Quem o construiu e quanto custou? O recibo abaixo traz mais esclarecimentos,

Recibo referente às despesas de construção do Restaurante Popular. Camocim. 1971. Fonte: Arquivo PMC.  
Pois é, nosso Restaurante Popular ou "Mosqueiro", como queiram, foi erguido durante a administração do prefeito José Maria Primo de Carvalho, no ano de 1971. A obra custou aos cofres públicos a quantia de Cr$ 9.200,00 ( Nove mil e duzentos cruzeiros), segundo o recibo assinado pelo Sr. Francisco das Chagas Araújo, famoso construtor da cidade que ergueu obras como o sólido Instituto São José, dentre outras, mais conhecido entre nós como Mestre Chico Araújo. Ainda segundo especificações do recibo, o Restaurante Popular foi construído,

"obedecendo as mais rigorosas normas de higiene e possuindo dimensão de 06,30m de largura por 20m de cumprimento. Revestido por paredes de alvenaria, apresenta-se com quinze bem distribuídos "boxes" azulejados; balcões de marmorite e mesas de pia, culminando com eficiente serviço de água e esgôto, tendo feito dentro da moderna estética".

Quarenta e sete anos depois, o "Mosqueiro" ainda resiste se constituindo num patrimônio histórico do nosso município,