O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

sábado, 23 de agosto de 2014

OS ESTRANGEIROS EM CAMOCIM. OS AMERICANOS

Continuando nossa série sobre a presença de estrangeiros em Camocim, hoje apresentaremos os americanos. Esse contato direto e indireto começa com as exportações de algodão e borracha através do nosso porto, no chamado "esforço de guerra", contexto da Primeira Guerra Mundial. Sintomaticamente, é no entre-guerras que se dá o boom econômico e cultural da cidade. Já na Segunda Guerra Mundial, os americanos cogitaram instalar em Camocim um Posto de Comando, que afinal se fixou em Fortaleza, visto que a capital proporcionava melhores condições logísticas. No entanto, uma pequena base militar foi construída como ponto de apoio para as manobras militares, abrigando um grupo de militares americanos. Contudo, a maior estrutura logística da capital, Fortaleza, suplantou a vantagem geográfica que Camocim apresentava com relação à distância atlântica do Brasil entre a Europa e África.[1] 
Base americana em Camocim. Acervo do blog.
Por outro lado, a presença dos americanos entre nós pode ser percebida pelas lembranças de antigos moradores. Segundo o Sr. Antônio de Albuquerque Sousa Filho, a cidade “se tornou ponto estratégico importante, atraindo soldados norte-americanos e com uma base onde chegaram a atracar Zepelins”. Em suas memórias, o antigo morador salienta um clima de colaboração entre os soldados americanos e a população local, no que se referei às trocas gastronômicas, cuja novidade eram “as saladas de frutas em lata que os americanos distribuíam com as famílias da cidade, que por sua vez lhes presenteavam bolos”.[2]
Relembrando os escritos do imortal Arthur Queirós, a presença de celebridades americanas, mesmo que  por algumas horas em solo camocinense, que cruzavam o Atlântico, nas frequentes paradas dos aviões da Panair, era um programa imperdível para os locais que tinham acesso. "Transitaram por Camocim, portanto, muitos notáveis, gente importante, do que mencionamos os artistas Henry Fonda (...) Greta Garbo, por aqui esteve por duas vezes, na última em 1943, exibindo-se para soldados e oficiais americanos aqui destacados, na Base Militar de apoio da segunda guerra mundial, que aqui construíram (...) transitaram ainda, Buck Jones, George O’Brien, Charles Starret, Sonja Henie e muitos outros... Dona Darcy Vargas, esposa do grande Presidente Vargas, por aqui transitou com destino à Norte América, ocasião em que muito aplaudida foi, pelos camocinenses. [3]
Outros americanos chegaram a habitar entre nós, notadamente missionários protestantes como Orlando Boyer e Mister Paul, dentre outros. É possível a existência de muitos outros em nossa longa história. Por hora, são estes que vem na nossa lembrança e que constam de nossos registros. 
 



[1] Descartada a proposta de um posto de comando, um pequeno número de soldados americanos foi destacado para Camocim para dar suporte a alguma manobra. Os mesmos ficaram abrigados numa pequena base militar construída para tal fim e nos hotéis da cidade. Informações prestadas pelo memorialista Artur Queirós.
[2] FILHO, Antônio de Albuquerque Sousa. Camocim do meu tempo. p.2.
[3] QUEIRÓS, Arthur. Idem.

domingo, 17 de agosto de 2014

O ENGENHO PERDIDO DE GRANJA ( OU CAMOCIM?)

Engenho dos Gouveias. Foto: Emanoel Reis

Esta postagem mostra como os leitores podem colaborar com nossa árdua tarefa de mostrar as coisas de Camocim, seja da cidade ou da zona rural. Recebo e repasso para todos um "achado" do nosso leitor Emanoel Reis. Trata-se das ruínas do que fora um antigo engenho de cana-de-açúcar localizado no povoado de Lusitânia, zona oeste de nosso município. Segundo o leitor que nos enviou várias fotos do local e uma descrição, o engenho funcionava numa "área de um grande  latifúndio pertencente a família dos ''Gouveias''. Logo associei uma coisa na outra, aquele  engenho pertencia a família dos ''Gouveias'' [...] depois conversei sobre o engenho com um  ex-morador da região, que tem 85 anos, perguntei-lhe  se ele sabia aproximadamente quantos anos tinha aquela construção, ele respondeu que sua família chegou naquela região em 1919 e seus pais relatavam que em 1919 já estava desativado [...]Conversei com outros moradores antigos, mas nenhum pode dar uma resposta conclusiva sobre a idade daquela construção, pois ela é mais antiga, que os pais dos moradores mas antigos, acredito eu que a idade cronológica daquele engenho coincida com o fim do Brasil colonial, imperial e a escravidão, mas até agora não tenho uma fonte contundente para afirmar que existiram escravos.  Outra coisa que descobri, é que aquele lugar era habitado por indígenas (Tapuios), e tinha o nome de "Tarraco'', mas com a colonização dos Gouveias, por meio da extração da madeira, monocultura e posteriormente da criação extensiva do gado, excluindo os indígenas do seu projeto de povoamento, o lugar passou a se chamar ''Lusitânia'', nome de origem Portuguesa".

Como se pode concluir, outras histórias poderão complementar a descoberta do nosso leitor. O fato de um engenho encravado no interior do município já revela uma proibição colonial, ou seja, plantar cana-de-açúcar próxima do litoral, além de confirmar a existência de terras férteis para a cultura da cana (massapê) em nosso município a ponto de justificar o funcionamento do engenho. Quando tivermos mais informações sobre este tema, voltaremos ao assunto.