O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

sábado, 28 de abril de 2012

PARLAMENTARES DE CAMOCIM - I

ANÉSIO FROTA AGUIAR.
Ele já foi motivo de postagem no blog, destacando-se seus escritos na seção "ESCRITORES DE CAMOCIM". Hoje, abrindo mais uma série, procuraremos destacar os camocinenses que se destacaram mundo afora no campo da política. Daí, que pesquisando, encontramos a ficha de Frota Aguiar publicada no site da Câmara dos Deputados, que reproduzimos abaixo.

FROTA AGUIAR - UDN/GB
Anésio Frota Aguiar
Nascimento:
7/8/1901
Naturalidade:
Camocim, CE
Profissões:
Advogado, Comerciante e Funcionário Público
Filiação:
Francisco Felinto de Aguiar e Rosa Frota Aguiar
Mandatos (na Câmara dos Deputados):
Deputado Federal, 1952-1954, GB, UDN. Dt. Posse: 29/01/1952; Deputado Federal, 1955-1959, GB, UDN; Deputado Federal, 1960-1963, GB, UDN.
Suplências e Efetivações:
Assumiu, como Suplente, o mandato de Deputado Federal, na Legislatura 1959-1963, de 6 de julho a 1 de dezembro de 1960, e efetivado em 2 de dezembro de 1960, na vaga do Dep. Carlos Lacerda.
Filiações Partidárias:
UDN, -1965; PTB; MDB, 1965-.
Atividades Partidárias:
Vice-líder da UDN, 1957.
Atividades Parlamentares:
CÂMARAS MUNICIPAIS, ASSEMBLÉIAS LEGISLATIVAS E CÂMARA LEGISLATIVA DO DF:
AL Guanabara: Vice-presidente, 1963-1967; CM-DF, 1947-1951.

CÂMARA DOS DEPUTADOS:

CPI: Para estudar a organização da administração acreana: Membro, 15 de julho de 1955; investigar denúncias da oposição sobre os créditos concedidos pelo Banco do Brasil ao jornal Última Hora: Relator, 1953.
Mandatos Externos:
Vereador, Rio de Janeiro/RJ, Partido: PTB, Período: 1947 a 1950 Deputado Estadual, N/D, Partido: UDN, Período: 1963 a Deputado Estadual, N/D, Partido: MDB, Período: 1967 a 1971 Deputado Estadual, N/D, Partido: MDB, Período: 1975 a
Atividades Profissionais e Cargos Públicos:
Trabalhou na Estrada de Ferro Central do Brasil, 1920; Delegado Distrital, DF; Delegado Auxiliar, DF; Delegado Especializado, DF; Presidente do Instituto de Previdência do Estado do Rio de Janeiro, 1971-1975.
Estudos e Cursos Diversos:
Primeiros estudos na cidade de Masapê-CE, curso secundário no Colégio Pedro II, Rio de Janeiro; Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais - Faculdade de Direito do Rio de Janeiro.
Obras Publicadas:
Lenocínio como problema social do Brasil; O debatido Caso Pierrot; Palestras Policiais.
Fone:http://www2.camara.gov.br/deputados/pesquisa/layouts_deputados_biografia?pk=121915

quinta-feira, 26 de abril de 2012

ASSOCIATIVISMO RURAL EM CAMOCIM - PARTE II

Brasão de Camocim. Fonte: citybrazil.com.br
Ano passado postei um texto sobre o associativismo rural em Camocim, mais especificamente sobre a Sociedade dos Pequenos Agricultores do Município de Camocim, origem do atual Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Camocim, mostrando os vários objetivos da agremiação fundada em 28 de abril de 1953, que tinha em sua Diretoria nomes de comunistas como Francisco das Chagas Teixeira e Joaquim Rocha Veras (Quinca Veras). No entanto, dois anos antes, em 08 de agosto de 1951, uma outra associação já estava registrada no Registro Civil de Pessoas Jurídicas a Associação Rural de Camocim, cujos objetivos eram: Agremiar as pessoas que exercem suas atividades na lavoura, pecuária e industrias rurais. Daí, ser perceptível tratar-se de uma associação de patrões, bastando ver a composição da diretoria;
Diretoria : 
Presidente: Fernando Cela
Vice: Setembrino Veras.
Secretário: Joaquim Rocha Veras
2º Secretário: José Maria Viana
Conselho Fiscal: Murilo Aguiar, Eduardo Normandia Albuquerque e José Trévia. Suplentes: Hélio Veras Ribeiro, Francisco Assis Fontenele e Manoel Brisamor Aguiar Ximenes.

Note-se que o Sr. Joaquim Rocha Veras (Quinca Veras) estava nas duas diretorias, mostrando a complexidade das relações humanas. Por outro lado, pode ser que esta associação tenha sido o embrião do Sindicato Patronal Rural em Camocim que durante muito tempo foi comandado pela família Veras Coelho.

Fonte: Cartório André. 2º Ofício. Registro Civil de Pessoas Jurídicas.

sábado, 21 de abril de 2012

A EDUCAÇÃO EM CAMOCIM - ESCOLA DOMÉSTICA JOANA D'ARC

Antiga Agência do SESI em Camocim. Foto: Camocim Online.
A educação para mulheres em todo mundo foi uma conquista gradual. No Brasil e em Camocim não poderia ser diferente. Até pouco tempo atrás, um dos requisitos par uma mulher ser uma boa esposa e, portanto estar apta para contrair casamento era a mesma ser "prendada". Ter prendas domésticas seria saber coser, cozinhar, bordar, dentre outros ofícios relativos ao comando de uma casa. Desta forma, nos anos 1950 funcionou em Camocim uma destas escolas, comandada por senhoras da sociedade local, conforme sugere o registro abaixo:

Nº de ordem: 04
Mês: Maio
Dia: 12
ASSOCIAÇÃO: SOCIEDADE SENHORAS DA BOA VONTADE - Finalidade principal - Direção e manutenção da Escola Doméstica JOANA D'ARC.
OBJETIVO: Gratuitamente educar a juventude feminina de Camocim, ministrando-lhes sólida formação moral e intelectual, instruindo-a no aprendizado de trabalhos domésticos, capacitando-a ao perfeito desempenho de seus futuros deveres, quer no lar, quer na sociedade.

Até os anos 1990 tínhamos uma escola deste tipo representada nos cursos promovidos pela extinta Agência do SESI em Camocim.

Fonte: Cartório André - Registro Civil de Pessoas Jurídicas.

domingo, 15 de abril de 2012

O DIA DE PINTO MARTINS - 15 DE ABRIL

Costumanos não reproduzir matérias neste espaço. No entanto, o dia de hoje merece uma exceção pelos 120 anos de Pinto Martins. Já fizemos algumas postagens aqui no POTE realçando a figura e a trajetória do nosso ilustre conterrâneo, inclusive, se hoje temos o DIA DE PINTO MARTINS e a COMENDA PINTO MARTINS, efeméride e condecoraão em nossa cidade, tivemos um pouco a ver com essa decisão da Administração Municipal, face aos nossos artigos no jornal "O Literário", chamando a atenção para o descaso de sua estátua e a importância de recuperarmos  sua história. Desta forma, reproduzimos a matéria veiculada ontem pelo jornal Diário do Nordeste, Caderno Regional. Enquanto isso, estou no agurado de receber das mãos do Tadeu Nogueira, o jornal enviado do Rio de Janeiro por nosso amigo camocinennse Francisco Olivar, que traz manchetes do dia em que Pinto Martins completa o voo Nova Iorque-Rio de Janeiro, ao chegar na Cidade Maravilhosa.


Aviadores cearenses comemoram os 120 anos de Pinto Martins

O engenheiro mecânico que fez história na aviação mundial é cearense, nascido na cidade de Camocim

Camocim Antes de ser nome de um aeroporto, foi o homem ousado a atravessar o Oceano Atlântico em um avião. O aviador Euclides Pinto Martins, cearense de Camocim, faz parte da seleta nobreza da aviação mundial. Amanhã, se comemora 120 anos de seu nascimento. Aviadores cearenses farão o céu roncar em homenagem ao filho ilustre do Ceará. É uma forma de reacender o valor do engenheiro mecânico que completou o voo de Nova York para o Rio de Janeiro durante longos cinco meses com sucessivas escalas. Um voo pioneiro que entrou para a história mundial.
O Aeroporto Internacional Pinto Martins leva o nome do aviador cearense, que, embora homenageado, ainda é pouco reconhecido. Quase um século depois do feito, tiveram início as verdadeiras homenagens a quem ao fim da viagem fora recebido pelo então presidente do Brasil, Arthur Bernardes. Em Camocim, onde nasceu, em 15 de abril de 1892, há quatro anos existe um dia voltado a comemorações. Autoridades municipais entenderam que Pinto Martins faz parte da história e também da autoestima do camocinense.
"Quando levantamos voo de Caiena, encontramos forte temporal pela proa. Rompemos o mau tempo com dificuldade, mas tivemos de procurar abrigo. Tomei a direção do aparelho (era copiloto) e depois de reconhecer o Rio Cunani aí descemos às 3h30. O tempo, lá fora, era impetuoso e ameaçador. Não nos foi possível prosseguir e passamos a noite matando mosquitos e com bastante fome, pois não contávamos interromper a rota". Esse é o trecho de depoimento de Pinto Martins a um jornal da região Norte. A viagem inteira começou em novembro de 1922 e a chegada ao Rio de Janeiro deu-se em fevereiro do ano de 1923.

Aprendizado
Em 1909, antes da corajosa viagem, seu pai, Antonio Pinto Martins, o mandou para os Estados Unidos com aproximadamente US$ 300 e a obrigação de estudar e voltar mais "capacitado". Não sabia falar inglês, portanto, a língua seria o primeiro aprendizado. Chegando lá, alguns amigos ajudariam o filho de Antônio a se virar para manter-se no dia a dia e nos estudos. Sem perder tempo e fazendo uso da vontade que carregava, Pinto Martins matriculou-se na Drexell Institute, uma universidade da Filadélfia onde três anos depois se formaria em Engenharia Mecânica. Ali, os seus olhos já brilhavam para os meios de transporte, que cresciam em todo o mundo pós-revolução industrial e que se tornava, literalmente, a locomotiva do crescimento econômico.
Antes de se formar, Pinto Martins trabalhou como estagiário na Baldwin Locomotive, uma fábrica de vagões numa época em que não parava de crescer a instalação de ferrovias. Daí, já se via que o jovem galgava espaços aproveitando oportunidades em tudo que fosse símbolo da modernidade. Era a evolução do homem diante das máquinas. Foi esse sentimento que o impulsionou a fazer as primeiras investidas em prospecção de petróleo no Brasil. Para alguns biógrafos, o investimento no "ouro brasileiro", no que já representava o petróleo, fez de Pinto Martins um alvo da cobiça que teria sido decisiva em seus transtornos que o levariam a tirar a própria vida - antes havia discutido com seu companheiro de viagem Walter Hinton. Pinto Martins morreu em abril de 1924, um ano depois da heroica travessia.

Reconhecimento
Em 2009, Armando Pinto Martins, sobrinho-neto do aviador, escreveu artigo para o Diário do Nordeste destacando que "as novas gerações devem reconhecer que devemos muito aos nossos antepassados. A verdadeira história de Euclides Pinto Martins ainda está para ser contada". Depois de o presidente Café Filho sancionar lei oficializando o nome Pinto Martins para o aeroporto de Fortaleza, em 1952, e da criação do Dia Pinto Martins, em Camocim (2008), a história do aviador passa a ser reescrita. Para muitos, ainda é pouco para quem incentivou o novo. "A glória é breve. Cedo, aos poucos, Pinto Martins voltava ao anonimato. O Brasil não cultiva mesmo os seus heróis", lamentou Raquel de Queiroz, em crônica no jornal O Estado de São Paulo, século passado.
A viagem de Pinto Martins em um hidroavião biplano (pousa na água) foi patrocinada pelo jornal "The New York World", que fazia a tentativa pioneira de uma viagem entre as Américas do Norte e do Sul.
Foi considerada uma "loucura", mas foi concluída. Ao ser recebido pelo presidente Artur Bernardes, recebeu um prêmio de 200 contos de réis. Foi para a Europa, e a volta para o Rio de Janeiro deu-se com as negociações para explorar Petróleo. Há 60 anos, Pinto Martins é diariamente citado pelos milhares de voos que saem do aeroporto de Fortaleza que leva o seu nome.
A homenagem dos aviadores cearenses tem início a partir das 7 horas de amanhã, quando saem de Aquiraz em voo até a cidade natal do aniversariante, Camocim. O retorno está previsto para o fim da tarde.
 
Fonte: Diário do Nordeste, 14/04/2012.

sábado, 14 de abril de 2012

MANOEL IBIAPINA LEITÃO - MEMÓRIA VIVA DE CAMOCIM

Sr. Manoel Ibiapina Leitão. Foto: Facebook
Fazer e manter um blog nos traz muitas surpresas. Esta que passo a descrever foi muito agradável. Desde segunda-feira, 09 que recebo notícias de que um senhor, do alto dos seus 81 anos, anda a minha procura na cidade. Infelizmente, só soube disso na segunda, posto que, até domingo de Páscoa estava por aí. Fui ao POTE, já que me disseram que este era o "contato" que este senhor se referia para saber da minha existância. Não deu outra! Lá estava um comentário de um sobrinho seu, se referindo à viagem de recordações do Sr. MANOEL IBIAPINA LEITÃO. Mantive um contato com o referido sobrinho e o mesmo me prometeu mandar para o blog, algumas das histórias do seu tio. Procuro por ele no Google, e ei-lo emoldurado em foto tendo o Rio da Cruz como fundo. Já solicitei sua amizade no Facebook. Reproduzo abaixo o texto do comentário aludido, esperando que outras pessoas possam colaborar nessa árdua tarefa de fazer a história do nosso lugar:

Prezado BLOG , chegou ontem a CAMOCIM, um velho morador da cidade que há muito tempo saiu daí para viver no Recife por força das circunstâncias,e que hoje volta para matar a saudade e rever os velhos amigos. O nome dele é MANOEL IBIAPINA LEITÃO, ele é um verdadeiro PATRIMÔNIO VIVO DA MEMÒRIA de CAMOCIM. Conhece Causos e Estórias que não tem registro em nenhum livro de História de Camocim È a Nova História da École des Annales, "a história vista de baixo",em outras palavras, que leva em conta as opiniôes das pessoas comuns, suas experências e sua compreensões do mundo social. Pois é , se quiser enriquecer seu Blog com Relatos interessantes sobre Episódios e Personagens Populares que viveram em Camocim na primeira metade do século passado, procure entrar em contato com o Mestre Manoel Ibiapina( está hospedado num Hotel bem no centro de Camocim, vizinho a um Restaurante, este hotel pertence a um primo seu, que é Tabelião de uma cidadezinha das redondezas de Camocim. Aproveite !!! Garanto que não se arrependerá !!!

Forte Abraço
Antonio Carlos.

PS: Se algum historiador ou outra pessoa tiver tido contato com o Sr. MANOEL IBIAPINA LEITÃO, mande seus comentário para o blog que terie o maior prazer em divulgar.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

A HISTORIA DOS INCENDIOS EM CAMOCIM

Ruínas do Sport Club

 Rogo para que um dia encontre tempo para escrever muito mais sobre Camocim. Talvez após a distante aposentadoria do labor de ensinar. Dentre os projeto futuros, planejo um dia escrever uma obra intitulada "Cidade em Chamas - a história dos incêndios em Camocim" (pelo menos já tenho o título). Em nossas pesquisas nos arquivos deparei-me com o processo do incêndio do Sport Club, mas, como tinha outras demandas, apenas li por cima o grande calhamaço no Arquivo Público do Estado do Ceará - APEC. Nesta postagem, fiquemos com o que disse o mestre Artur Queiroz, testemunha ocular do fato:  Foi, portanto, no dealbar da fatídica manhã do ano de 1931, que acabou-se em chamas, o suntuoso SPORT CLUB, de histórica tradição, quando o povo espantado, saiu às ruas, ante o inusitado bimbalhar do sino da Igreja Matriz, anunciando a desdita. 
Restaurante Café Du Port em chamas, antigo Odus.
Outro incêndio de grandes proporções aconteceu posteriormente com uma fábrica de sabão e óleos do Sr. João Baptista Gizzi, fundador da Maçonaria em Camocim, situada na Praça Pinto Martins, onde hoje  está a Farmácia São Paulo, cujo processo também se encontra no APEC. Quando garoto ainda, presenciei o incêndio do Posto San Carlo, se não me engano no final da década de 1970. O referido posto de gasolina ficava no mesmo lugar onde hoje funciona o Posto Moby Dick. Na época, estabeleceu-se um pânico com a possibilidade das residências ao redor ir para os ares com uma iminente explosão, inclusive o Hospital Murilo Aguiar. Felizmente consegui-se apagar o fogo. Mais recentemente, em 2009, tivemos o caso do ex-restaurante Odus que consumiu-se em chamas como Café Du Port, sob a gerência de um francês que aportou por aqui. O blogueiro Tadeu Nogueira escreveu no dia do sinistro: (...) teve parte da sua estrutura destruída por um incêndio que teve início por volta das 6:00h da manhã de hoje,o resultado foi muita fumaça e correria na tentativa de salvar alguma coisa.Devido a cobertura do restaurante ser de palha e parte de madeira, o fogo se propagou mais rápido,consumindo equipamentos e material que são utilizados para o funcionamento do Restaurante. Há rumores de que um foguete teria sido o causador do incêndio, mas por enquanto não há nada oficial a esse respeito,só a perícia para apurar a verdadeira causa desse incêndio. 

Enquanto isso, dormita nos corredores palacianos as  eternas promessas de um dia termos em Camocim um Corpo de Bombeiros.

Fonte: Para citação de Artur Queiroz. www.literario.com.br.
Fonte: Para citação de Tadeu Nogueira: www.camocimonline.com


Foto: Sport Club. Arquivo do blog.
Foto: Café du Port: camocimonline

AS COMEMORAÇÕES DOS COMUNISTAS EM CAMOCIM

"No último dia 23 de março fui convidado para falar na Sessão Solene da Câmara Municipal de Camocim em homenagem aos 90 anos do Partido Comunista no Brasil. Atendendo ao convite do atual Presidente do PC do B em Camocim, Francisco Wilson de Oliveira fui até lá participar desse momento festivo. O auditório estava cheio de militantes, simpatizantes e presidentes de outros partidos, além dos vereadores Jarbas Ferreira, Kléber Trévia (proponente da sessão) e Emanoel Vieira (que presidiu os trabalhos). Em nossa fala evidenciamos a coragem dos primeiros comunistas como Chico Theodoro, Pedro Rufino, Sotero Lopes, Raimundo Vermelho, João Ricardo, dentre outros, assim como a atuação de Pedro Rufino como vereador entre 1948-51. 
Nesses momentos também aprendemos. Depois de encerrada a nossa fala, chegou-me um bilhete da  professora Liduína Maciel, que até então, desconhecia suas ligações familiares com a família de Francisco Theodoro Rodrigues (Chico Teodoro), o qual reproduzo abaixo: 
"As sequelas das atrocidades feitas ao Chico Teodoro estendeu-se à sua família. Casado com minha tia Raquel que ficou louca teve 4 filhos: José, Expedito, Socorro e Lenizia. José suicidou-se, Expedito também (...), Socorro sofre de síndrome do pânico e a única fila sã é Lenízia". Liduína Maciel.

Prof. Carlos Augusto Pereira dos Santos - UVA
Como podemos perceber, são feridas que ainda não se cicatrizaram e são testemunhas de um período negro da História do Brasil. Em nossa pesquisa, chegamos a entrevistar a Sra. Lenízia em Fortaleza. FA Sessão Solene foi um momento gratificante, visto que enquanto se comemora 90 anos da fundação do partido comunista no Brasil, em Camocim essa história completou 84 anos.

Foto: Assis Araujo