O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

domingo, 30 de outubro de 2016

CAMOCIM NOS LIVROS I - MEMORIAL HISTÓRICO DA CIDADE DE CAMOCIM

Almanaque Laemmert. 1911-1912
O Memorial Histórico da Cidade de Camocim, escrito por Antonio Filadelfo Pessoa em 1908, sem dúvida foi a primeira obra sobre nosso município. Dela só temos a notícia e o registro feito nos almanaques. A referida obra foi uma espécie de "representação official do municipio na Exposição Nacional d'aquelle anno, tendo sido profusamente pelos municipes. Foi o unico trabalho no genero que se fez no Estado". Portanto, é possível que esta obra tenha sobrevivido ao tempo nalguma biblioteca das famílias antigas da cidade ou num baú de raridades de alguém. A obra foi publicada pela Câmara Municipal de Camocim que neste mesmo ano publicou o seu Código de Posturas que continha 245 artigos. Registrou-se ainda que o referido "Memorial" foi também em comemoração ao Primeiro Centenário da Abertura dos Portos do Brasil ao Comércio Internacional e que o mesmo foi rodado nas oficinas da Tipografia Minerva.
Como podemos perceber, a Câmara Municipal tem uma tradição na publicação de obras e que bem poderia ter um Projeto Editorial permanente.

Fonte: Almanak Laemmert, in:http://memoria.bn.br/

sábado, 29 de outubro de 2016

O DIA DO LIVRO - "CAMOCIM NOS LIVROS"

Aproveitando que hoje, 29 de outubro é o DIA DO LIVRO, vamos inaugurar mais uma seção no blog: "Camocim nos Livros" que pretende fazer uma apanhado de como nosso município é retratado em obras literárias e históricas. A postagem de hoje traz uma poesia de João Batista do Nascimento, poeta colaborador do blog, como que abrindo as cortinas para essa nova seção do Camocim Pote de Histórias.



O DIA DO LIVRO


UM LIVRO É SAGRADO
ALI ESTÁ CONGREGADO
A SUA IMAGINAÇÃO
PRODUTO DE INTIMIDADE
MENTIRAS OU VERDADES
PROVIDAS DO CORAÇÃO

ESCREVEMOS E PENSAMOS
NO LIVRO REGISTRAMOS
TODA A NOSSA HISTÓRIA
SONHOS E FANTASIAS
FEITICHES E UTOPIAS
TIRADAS DA MEMÓRIA

O LIVRO É REVELADOR
ELE EXPÕE DO SEU AUTOR
SUA OBRA E SUA ARTE
SAÍDO DA TINTA PARA O PAPEL
RETRATA A OBRA DE UM PINCEL
EXPOSTO AO POVO POR TODA PARTE

O PRIMEIRO LIVRO EDITADO
COM OS ESCRITOS SAGRADOS
AINDA É POR TODOS, SEGUIDO.
ALI PERMANECE GRAVADO
O QUE NOS PAPIROS FOI RABISCADO
EXEMPLOS DO QUE TEMOS VIVIDO

O QUE SABEMOS NO PRESENTE
FICA REGISTRADO NA MENTE
PROVIDOS DO QUE ESTÁ ESCRITO
NO LIVRO FICA REGISTRADO
TUDO O QUE FOI PESQUISADO
EXIBE O QUE FOI PRESCRITO


OS LIVROS TRAZEM GRAVURAS
TRADUZ PELAS FIGURAS
UM TEXTO SEM UM ESCRITO
AQUELE QUE NÃO SABE LER
MAS TEM OS OLHOS PRA VER
VIAJA NO QUE FOI VISTO

UM PAÍS SE FAZ COM HOMENS E LIVROS
ESSE É UM PROVÉRBIO VIVO
DO POETA MONTEIRO LOBATO
O LIVRO TRAZ EDUCAÇÃO
É O DEGRAU PRA EVOLUÇÃO
UM SUCESSO IMEDIATO

QUEM TEM O HÁBITO DE LER
APRENDE A BEM ESCREVER
SABE O TEXTO INTERPRETAR
O LIVRO É COMO UM TROFÉU
TE LEVA DO INFERNO PRO CÉU
AJUDA O MISTÉRIO A DESVENDAR

O LIVRO TEM POESIAS
CONTOS NOVELAS FILOSOFIA
DIDÁTICA CIENCIA E CORDEL
LEIS PESQUISAS E ABC
TUDO O QUE VOCÊ QUISER LER
REGISTRADOS EM PÁGINAS DE PAPEL

DÕE LIVROS DE PRESENTES
AJUDE A ABRIR AS MENTES
PARA UMA BOA EVOLUÇÃO
O LIVRO É A CHAVE DO SUCESSO
NELE ESTÁ O PROGRESSO
DE TODA UMA NAÇÃO.

AUTOR: JOABNASCIMENTO
DATA: 09/10/16
Recanto das Letras: JOABNASCIMENTO
Blog: joaobnascimento55.blogspot.com
Twitter:@ljoaobatista



terça-feira, 25 de outubro de 2016

PCdoB DE CAMOCIM FEZ BONITO NAS ELEIÇÕES DE 2016

Após as eleições de 2016, o leitor Francisco Rocha Pereira fez uma análise do desempenho do PCdoB em Camocim para a Câmara Municipal, recuperando historicamente a atuação do partido em nosso município.


by Francisco Rocha Pereira
Historiador e militante do PCdoB

Pedro Teixeira de Oliveira (Pedro Rufino). Fundador do PCB em Camocim 
e Vereador na Legislatura de 1948-1950. Fonte: acervo do blog.
Haroldo Carvalho de Oliveira. 
Candidato a Prefeito de Camocim pelo PCB em 1988. 
Fonte: Livro "A Casa do Povo".
O Partido Comunista do Brasil (PCdoB), mais uma vez faz história em Camocim. Não é à toa que ainda na primeira metade do século XX, Camocim recebeu a alcunha de “Cidade Vermelha” devido a importância que esse partido teve, principalmente no meio sindical e trabalhista, desde as primeiras décadas do mesmo, muito bem retratada no livro “CIDADE VERMELHA: A militância comunista nos espaços do trabalho. Camocim – CE (1927-1950)”, do historiador Carlos Augusto Pereira dos Santos. Ainda do mesmo autor, antes que eu me esqueça, já que quero falar de eleição, nota-se a força dos comunistas ao conquistarem uma vaga na Câmara Municipal de Camocim na Legislatura de 1948-1950, detalhado no livro “A CASA DO POVO: História do Legislativo camocinense”, mesmo que para isso tenha sido necessário se abrigar em outro partido, devido a cassação do registro do PCB (Partido Comunista Brasileiro), que era vítima da perseguição e repressão aos comunistas no governo do Presidente Dutra.Trata-se do então vereador Pedro Teixeira de Oliveira (Pedro Rufino), um dos mais destacados edis daquela legislatura. De lá para cá, hora com mais, hora com menos filiados, esse partido que sempre foi guerreiro na defesa da classe trabalhadora e do socialismo, sempre vinha concorrendo ao legislativo, mas sem êxito. Somente no pleito de 2012, após 65 anos da eleição de Pedro Rufino, o agora PCdoB, volta a ter sucesso obtendo 2.739 votos e conseguindo eleger o segundo vereador na história municipal do partido para atuar na Casa do Povo, o Sr. Edivanilson Oliveira de Sousa (Oliveira da Pesqueira). Não sei se é coincidência, mas na referida eleição observa-se dois fatos inusitados: o total de anos que separa as duas eleições é igual a sigla do partido (65); o outro é que embora não tivesse tradição na política, Oliveira, além da sorte de entrar logo na primeira tentativa, deve se orgulhar também, de ter sangue de Pedro Rufino em suas veias, pois é filho de uma sobrinha do mesmo.
Edivanilson  Oliveira de Sousa(Oliveira da Pesqueira). 
Vereador do PCdo B, reeleito para a legislatura 2017-2020. 
Fonte; politicaemevidencia.com.br
Antes de ir para um segundo ponto, gostaria de destacar a forma corajosa e peculiar do PCdoB caminhar independente de quem esteja no poder. Seus encontros e conferências são uma boa aula de história e tem como ponto forte a conscientização política e a primazia do bem comum.
É sabido que na cidade de Camocim há dois grupos fortes que, juntos, são detentores de quase a totalidade do eleitorado, não sobrando muito espaço para uma terceira via; quando surge. Essa condição faz com que o partido às vezes apoie um grupo nas eleições para prefeito, às vezes, o outro. Entretanto já teve a ousadia de concorrer ao executivo em 1988 com o nome do saudoso Haroldo Rufino, neto de Pedro, como terceira opção, e em 2008 concorreu a Vice-Prefeitura com o radialista Assis Araújo na chapa encabeçada por Mônica Aguiar, quando ficaram em segundo lugar. Desde então os comunistas vem apostando no projeto político do grupo liderado pelo Deputado Sérgio Aguiar. De 2012 para cá, o partido não só contribuiu para a eleição e reeleição da Prefeita Mônica, como também teve um significativo crescimento nesse período, conseguindo mais um feito inédito nessas eleições de 2016, que apresentaremos a seguir, de acordo com alguns dados fornecidos pelo Diretório Municipal: De 2.739 votos em 2012, pulou para 4.049 em 2016, mais 103 votos de legenda; No geral a Coligação ficou em 3º lugar, já o partido ficou em 2º lugar, ficando atrás somente do PDT da Prefeita reeleita, superando até mesmo o próprio PMDB da candidata derrotada que, embora tenha sido bem votado, não fez um vereador sequer pela legenda de seu partido. 
James do Peixe. Vereador eleito pelo PCdo B para a 
legislatura 2017-2020. Fonte:gazetadopovo.com.br 
Enquanto isso o PCdoB fez dois, reelegendo Oliveira com votação dobrada, elegendo James do Peixe que a exemplo do primeiro tem o mesmo ramo de vida, (vendedor de peixe), e também entrou na primeira tentativa, e ainda conseguiu mais um vereador pela coligação PCdoB/DEM, que foi o Zezinho da Rádio (DEM). Esta superação e crescimento são resultado do empenho dos camaradas, sendo motivo de orgulho para todos os que fazem parte do Diretório Municipal, dos candidatos eleitos e não eleitos e também dos simpatizantes. Antes de finalizar, quero chamar atenção para um pequeno contraponto: A ênfase à evolução do partido não significa dizer que não haja divergências entre os que o compõem. Afinal, elas fazem parte dos desafios enfrentados e superados.Há quem diga que o partido não é mais o mesmo, mas há de se ver também que algumas mudanças estratégicas às vezes são necessárias para se alcançar um objetivo. E desta vez, o objetivo de colocar dois vereadores para fortalecer as ações dos comunistas no Parlamento Municipal foi alcançado. Esperamos que estes, eleitos pelo PCdoB, exercendo o verdadeiro papel de vereador, façam jus aos votos de confiança que lhes foram dados, e que através de suas vozes os ideais socialistas e a classe trabalhadora sejam mais difundidos e melhor defendidos na Casa do Povo...
Viva o Partido Comunista do Brasil!
Avante camaradas!



segunda-feira, 24 de outubro de 2016

CAMOCIM E O NOME DO SEU RIO

Trecho do Rio Coreaú. Camocim, Fonte:br.worldmapz.com
Várias postagens já foram publicadas neste blog evidenciando a nomenclatura do nosso rio, braço do Oceano Atlântico que nos comunica com o mundo exterior. Contudo, quanto mais pesquisamos encontramos denominações diferentes. Baseado nos escritos e mapas antigos já o chamamos de Comecy, Camocy, Camocim, Rio da Cruz, Curyhau, Croahú. Dizem que os índios que habitavam suas margens o chamavam de Croahiú, até chegarmos no nome atual de Coreaú.
Outra denominação, no entanto, diversa das demais acima elencadas encontramos na obra "Vocabulario Indigena em uso na Provincia do Ceará", por Paulino Nogueira, publicado na Revista do Instituto do Ceará - 1887. Diz-nos o referido autor que C. Mendes, em sua obra Memorias, tomo 2, à página 459 em nota acrescentada, diz que o nosso acidente geográfico mais importante já se chamou rio de S. Cruz de S. Francisco. Como se pode perceber, as denominações refletem a disputa da colonização da região, tendo-se vocábulos oriundos do idioma holandês, tupi e português. Rio da Santa Cruz de São Francisco, provavelmente foi dado por um católico português mais ardoroso.  




Fonte:http://portal.ceara.pro.br/index.php?option=com_content&view=article&id=33021&catid=433&Itemid=101

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

VI SETEMBRO CAMOCIM - XXV. A HISTÓRIA DO PESCADOR PAULO

Com esta postagem, encerramos em pleno outubro a seção VI SETEMBRO CAMOCIM que neste ano teve a valorosa colaboração dos alunos do Curso de História UVA/PARFOR/Camocim. Na matéria abaixo, a história do pescador Paulo Ferreira Lima, muito parecida com a trajetória de tantos outros pescadores camocinenses.

by Antonieta Ferreira Barbosa
Aluna do Curso de História UVA/PARFOR/Camocim

Carteira Profissional de Pescador de  Paulo Ferreira Lima. Camocim-CE.
Fonte: acervo particular de Paulo Ferreira Lima
O pescador Paulo Ferreira Lima é um dos remanescentes pescadores de barcos de pesca de Camocim na década de 1970. Brasileiro, nasceu em 7 de Julho de 1952 e tornou-se pescador pelo fato de alguns membros de sua família serem pescadores e também por gostar da profissão, a qual escolheu e atuou por muito tempo.
Pescar foi seu principal trabalho, que iniciou desde seus 17 anos com os demais tripulantes da época que trabalhavam avulso nas pequenas navegações, como as lanchas Santa Isabel, Joana Dark, dentre outras. 
Anos se passaram e com 23 anos passou a trabalhar em embarcações grandes, já de carteira assinada pelo Ministério da Marinha,  em Camocim.
O início do trabalho de carteira assinada foi em 28 de Agosto de 1974, em várias embarcações, todas documentadas como manda a lei. 
Diante de toda jornada de trabalho e por problemas de saúde, não foi possível continuar na profissão que gostava tanto, deixando de atuar no dia 23 de junho de 1997.
Hoje em dia ele atua ainda na pesca, mas, não de carteira assinada, mas por gostar da profissão e por gostar de pescar. Atualmente, o nosso pescador recebe um auxílio- doença por não poder mais trabalhar.

domingo, 16 de outubro de 2016

AOS PROFESSORES DE CAMOCIM COM CARINHO


O poema abaixo é dedicado ao professor. Como ensinar é também um ato poético publicamos mais um poema da lavra do poeta camocinense João Batista Nascimento, membro da Academia Camocinense de Ciência, Artes e Letras.
Prof. Raimundo, personagem de Chico Anysio.
Fonte: mensagens com amor.

O DIA DO PROFESSOR


E ASSIM JÁ DIZIA PLATÃO
A FORMAÇÃO DO CIDADÃO
DEPENDE DE UM PROFESSOR
ESSE MESTRE DA SABEDORIA
QUE NOS ENSINA NO DIA A DIA
COM DEDICAÇÃO E AMOR

PRA TUDO O QUE FAZEMOS
E TUDO O QUE APRENDEMOS
PRECISAMOS DE UM DOCENTE
A SUA VALORIZAÇÃO
É O FUTURO DE UMA NAÇÃO
PARA O PROGRESSO EMINENTE

PRA DEFINIR UM PROFESSOR
ELE É O EDUCADOR
DA SUA VIDA E SEU DESTINO
MOSTRA O CONHECIMENTO
É ELE O INSTRUMENTO
PARA O PROGRESSO DO ENSINO

NA EDUCAÇÃO INFANTIL
COM SEU JEITINHO SUTIL
AO ENSINO FUNDAMENTAL
NO MÉDIO E SUPERIOR
PÓS, MESTRADO E DOUTOR.
À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

É NECESSÁRIO UM MENTOR
NA FIGURA DE UM PROFESSOR
PARA TODA EXPLICAÇÃO
NO INTERIOR OU NA CIDADE
NO CEJA OU FACULDADE
O EDUCADOR É A SOLUÇÃO

O PROFESSOR REPRESENTA
AQUILO QUE NOS SUSTENTA
A FOME NO APRENDIZADO
AO PEGAR NUMA CANETA
FAZER AS PRIMEIRAS LETRAS
NOS DEIXA EMOCIONADO

EM NOSSA RESIDÊNCIA
ADQUIRIMOS EXPERIÊNCIA
DESDE O NOSSO NASCIMENTO
OS PRIMEIROS PROFESSORES
SÃO OS NOSSOS GENITORES
ENSINAM-NOS A TODO O MOMENTO

O PROFESSOR ENSINA O BEM
MAS EXISTE TAMBÉM
O QUE ENSINA A MALDADE
ELE TAMBÉM É UM MENTOR
DO ERRO TAMBÉM É DOUTOR
UM MAL PARA A HUMANIDADE

AGORA DEVEMOS PERCEBER
QUE TUDO PARA APRENDER
É PRECISO UM PROFESSOR
UM PROFISSIONAL IMPORTANTE
MALTRATADO A TODO INSTANTE
POR TODO ADMINISTRADOR

MUITO MAL REMUNERADO
O NOME DESQUALIFICADO
DENTRE AS OUTRAS PROFISSÕES
SEM CONDIÇÕES PARA EXERCER
SUA PROFISSÃO PARA CRESCER
SÃO LIMITADAS AS FUNÇÕES

OS GRANDES ADMINISTRADORES
ESQUECEM OS BENFEITORES
DA SUA CHEGADA AO SUCESSO
UM DELES É O PROFESSOR
FOI ELE QUE ENSINOU
SUA JORNADA AO PROGRESSO

HOJE HOMENAGEAMOS
A TODOS CONCLAMAMOS
NUMA SÓ VOZ POTENTE
O QUE SERIA DO SABER
SE NÃO EXISTISSE O DEVER
DE TODO CORPO DOCENTE?

AUTOR: JOABNASCIMENTO
DATA: 08/10/16
Recanto das Letras: JOABNASCIMENTO
Blog: joaobnascimento55.blogspot.com
Twitter:@ljoaobatista


sexta-feira, 14 de outubro de 2016

CAMOCIM NOS CARTÕES TELEFÔNICOS

O ato de colecionar é próprio do ser humano. Dependendo do tempo colecionamos sempre algo de valor comercial ou sentimental. Hoje revirando o grande baú da internet me deparo com um item que fez parte da febre do colecionismo no Brasil dos anos 1990 que ganhou até nome próprio: a TELECARTOFILIA. Antes, por volta de 1976, a Itália já usava um tipo de cartão telefônico semelhante ao que usamos durante tanto tempo em uso simultâneo ou substituindo a velha "ficha telefônica".

Margens do Rio Coreaú. Camocim.
Fonte: http://produto.mercadolivre.com.br

Voltemos pois, para o cartão acima que ilustra essa postagem. Afora a reminiscência de que um dia colecionamos as mais diversas séries e os mais variados temas figurados nos cartões telefônicos, organizados em álbuns específicos, trocando os repetidos, etc., a imagem 30 sobre Camocim não poderia ser mais emblemática: o amanhecer (ou seria entardecer) no Rio Coreaú; a maré enchendo (ou seria secando); a aurora ou o lusco-fusco (a fotografia não ajudou muito neste momento) destacando e descortinando o Outro Lado do Rio Coreaú com suas dunas e mangues; um homem pedalando sua bicicleta quase dentro d'água, parecendo posar para o fotógrafo. Quem seria ele? Quando a foto e o cartão foram feitos?
A febre do colecionismo passou. Hoje são outros objetos em evidência, mas, quem quiser adquirir este cartão, único disponível no Mercado Livre, o mesmo se encontra à venda por um vendedor de Londrina, no Paraná. Custa R$ 1,00 mais frete. Quem se habilita a comprar esta relíquia?  Quem comprar, favor entrar em contato com o blog que registraremos.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

CAMOCIM PARAÍSO SEM FIM

Fonte inesgotável de inspiração, nosso paraíso continua a desafiar escritores e poetas. O texto abaixo é prova disso e nos fornece mais uma página de simplicidade e poesia que enaltece nossa bela Camocim.

by João Batista do Nascimento
Recanto das Letras: JOABNASCIMENTO
Blog: joaobnascimento55.blogspot.com
Twitter: @ljoaobatista

Fonte: joaobnascimento55.blogspot.com
CERTO DIA ESTAVA EU A PENSAR ASSIM: 
SERÁ QUE EXISTE UM LUGAR MAIS LINDO DO QUE O MEU AMADO CAMOCIM? 
TERRA DE PRAIAS PERFEITAS, 
AONDE O MAR CHEGA TRAZENDO A RECEITA, 
QUE SUAS ÁGUAS SALGADAS VENHAM NOS ACARICIAR; 
EM NOSSO CORPO FICA A NOS BEIJAR, 
DEIXANDO NA PELE SEU GOSTO DE SAL, 
PRAZER COMO ESSE NÃO HÁ OUTRO IGUAL; 
SUAS DUNAS QUE BRILHAM SOB O SOL ESCALDANTE, 
NOS COBRE COM SUAS AREIAS QUENTES BRILHANTES, 
NOS FAZ PARECER À MILANESA, 
UM PRATO GOSTOSO EM NOSSA MESA, 
SUA ARQUITETURA CHEIA DE NOBREZA,
FAZ UMA COMBINAÇÃO PERFEITA COM A MÃE NATUREZA, 
SEUS MANGUES GERANDO VIDA PRA SOBREVIVÊNCIA,
 E PRO ECOSSISTEMA ÉS UMA GRANDE POTÊNCIA, 
FARTURA PROS POBRES E TODAS AS ADJACÊNCIAS; 
MARISCOS SABOROSOS PRA GENTE SABOREAR, 
PRATOS DELICIOSOS PRA NOS SACIAR, 
SUAS NOITES COMBINAM COM A LUA E O MAR,
QUE TANTO NOS CONVIDAM PRA NAMORAR, 
MOMENTOS INESQUECÍVEIS SEMPRE À BEIRA MAR. 
SEU POVO TÃO SINGELO, COM SORRISOS NO ROSTO,
NÃO EXALAM A TRISTEZA E ATÉ MESMO OS DESGOSTOS, 
DEIXADOS PELA VIDA E PELO SOFRIMENTO, 
DA FALTA DE RIQUEZA, TORTURAS E LAMENTOS, 
TE ABRAÇAM COM ENTUSIASMOS, 
TE ACOLHEM SEM MARASMOS, 
NO MÍNIMO TE DÃO UMA REDE PRA DEITAR, 
SEM PENA E MESQUINHEZ, VÃO TE ALIMENTAR, 
BAIÃO COM FARINHA NÃO PODEM FALTAR. 
POVO ALEGRE, FELIZ E FESTEIRO, 
TRABALHA ARDUAMENTE PRA GANHAR SEU DINHEIRO, 
NO FIM DE SEMANA UM FORRÓ IR DANÇAR, 
TOMAR UMA CACHAÇA E TAMBÉM NAMORAR, 
AGARRAR AS CABOCLAS DO RISO FACEIRO, 
BALANÇO NAS ANCAS E REBOLADO BREJEIRO. 
A PESCA DO PEIXE E DO CARANGUEJO, 
LHES DÃO O SUSTENTO E SACIAM SEUS DESEJOS. 
É ASSIM QUE VIVE O POVO DAQUI, 
EXEMPLOS DE VIDA PRA GENTE SEGUIR. 
AMO AMAR ESSE LUGAR, 
QUE BOM, EU VOLTEI PRA SEMPRE FICAR, 
E ASSIM TODO DIA PODER TE NAMORAR, 
DIZER VEEMENTE, 
COM A CERTEZA NA MENTE, 
AQUI É O MEU LUGAR.



AUTOR: JOABNASCIMENTO
DATA: 01/09/15

sábado, 8 de outubro de 2016

VI SETEMBRO CAMOCIM - XXIV. A PESCA ARTESANAL EM MACEIÓ-CAMOCIM

Maceió é uma vila de pescadores de Camocim. Ultimamente observa-se uma diminuição da pesca artesanal. A matéria abaixo elenca os problemas que acarretam essa diminuição e traça um perfil desta brava vila de pescadores em  nosso município.


by Leiliane do Nascimento Sousa
Aluna do Curso de História PARFOR/UVA/Camocim







Praia do Maceió. 2016. Camocim-CE.
Foto: Leiliane Sousa.
A Praia do Maceió era conhecida como a vila de pescadores, onde a principal fonte de recursos para as famílias da comunidade e o único fator econômico era a pesca artesanal. Conforme foi se implantando melhorias na infraestrutura da região como, por exemplo, a construção de uma estrada asfaltada, ocorreram mudanças socioeconômicas, principalmente a crescente presença do turismo, melhorando assim o acesso e abrindo caminhos para as descobertas de belezas naturais, tornando a pequena vila em um ponto turístico da cidade. 
Hoje a vila passou a ser conhecida internacionalmente como Praia do Maceió, despertando interesses e trazendo investidores estrangeiros para comunidade.
A vila que vivia apenas da pesca artesanal passou a desenvolver uma nova atividade econômica: o turismo. Com isso. a mesma foi sendo desvalorizada por alguns moradores, e pelos filhos dos pescadores, sendo que muitos preferem valorizar o que o turismo tem a oferecer do que preservar a cultura e a memória da comunidade. Os traços da pesca encontrados hoje na localidade, são cultivados pelos poucos pescadores existentes, como: canoas expostas, pequenas pesqueiras que são usadas para guardar alguns dos materiais utilizados na pesca (redes, a vela da canoa, motores, e caixas para armazenar gelos e pescados) as mesmas são construídas de materiais próprios da região.
A pesca artesanal foi diminuindo sua produção desde 1988, cerca de 70% junto ao trabalho dos pescadores. Sendo que a praia do Maceió, foi uma das praias que mais produziu pescados da região. Porém hoje a realidade é outra, pois os moradores locais estão se adequando a uma realidade imposta pelo o setor econômico desenvolvido pelo turismo, deixando de lado a prática da pesca artesanal tão valorizada e sinônimo de fartura e equilíbrio cultural.

Segundo o Sr. Sebastião Ferreira de Sousa, pescador e nativo da comunidade, desde 1995 houve mudanças na condição de vida dos moradores. Hoje, cada morador tem uma qualidade de vida bem melhor, mas por outro lado surge uma grande preocupação: alguns dos nativos não querem mais preservar a cultura e a memória do lugar. “É motivo de tristeza ver que alguns dos nativos, não querem mais cultivar a pesca artesanal”.
O desejo do Sr. Sebastião e de alguns moradores é que a situação da comunidade continue melhorando, mas que os nativos não abandonem e nem deixem acabar a pesca artesanal. E que ela permaneça e seja valorizada por todos que vivem na comunidade, representando a cultura e a memória da Praia do Maceió.

VI SETEMBRO CAMOCIM . XXIII. A FLAMENGA DOS FERREIRAS

A história de um lugar é a história das pessoas desse lugar. Deste modo, são elas que possuem a memória de suas origens. A matéria abaixo discorre sobre a comunidade de Flamenga dos Ferreiras. na zona rural de Camocim.

by Antonia Irla Mendes de Brito
Aluna do Curso de História PARFOR/UVA/Camocim.

Escola, posto de saúde e fábrica de doce na comunidade de Flamenga dos Ferreiras. 2016
Camocim-CE. Foto: Irla Brito.
                                                     
            Manuel Ferreira da Silva nasceu em 1895 em Camocim, no distrito conhecido como Guriú. Em 1915 foi embora para Belém do Pará, onde casou com uma mulher muito importante da cidade e que era filha do prefeito, a senhora Maria Luísa, por volta de 1923. Junto com sua esposa, e seu irmão José Ferreira da Silva resolveram voltar para Camocim, onde decidiram comprar algumas braças de terras, como na época era conhecida, terras que ainda não havia ninguém por lá, e que tinha um valor muito inferior em comparação com o de hoje, pois a mesma se encontrava a alguns quilômetros da cidade. Anos depois nasceram seus filhos e com o passar dos anos foram amadurecendo e construindo suas famílias, que por sua vez foram se estabelecendo sobre as terras de seus antepassados, onde hoje se encontra a quarta geração da Família Ferreira.
            José Ferreira da Silva que era um dos herdeiros doou uma parte da terra para construir a Escola Manuel Ferreira da Silva, fundada em 13 de março de 1989 nome dado em homenagem ao patriarca da família, que na época havia falecido. Vale ressaltar que em 1980 além da Família Ferreira já habitavam também a Família Mota. Em 1991 foi alcançado um grande sonho de todos que ali habitavam,  a tão sonhada energia elétrica. Daí em diante a comunidade já não era mais considerada como um matagal e sim como Flamenga dos Ferreiras que desta forma ficou conhecida e respeitada por todos, nosso  lugarzinho na zona rural de Camocim que hoje é habitada por cerca de 300 (trezentas) pessoas.


Fonte oral: Rosa Amaral Ferreira, 68 anos, aposentada. Entrevista realizada na comunidade de Flamenga dos Ferreiras por Antonio Irla Mendes de Brito