O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

CAMOCIM NOS CARTÕES TELEFÔNICOS

O ato de colecionar é próprio do ser humano. Dependendo do tempo colecionamos sempre algo de valor comercial ou sentimental. Hoje revirando o grande baú da internet me deparo com um item que fez parte da febre do colecionismo no Brasil dos anos 1990 que ganhou até nome próprio: a TELECARTOFILIA. Antes, por volta de 1976, a Itália já usava um tipo de cartão telefônico semelhante ao que usamos durante tanto tempo em uso simultâneo ou substituindo a velha "ficha telefônica".

Margens do Rio Coreaú. Camocim.
Fonte: http://produto.mercadolivre.com.br

Voltemos pois, para o cartão acima que ilustra essa postagem. Afora a reminiscência de que um dia colecionamos as mais diversas séries e os mais variados temas figurados nos cartões telefônicos, organizados em álbuns específicos, trocando os repetidos, etc., a imagem 30 sobre Camocim não poderia ser mais emblemática: o amanhecer (ou seria entardecer) no Rio Coreaú; a maré enchendo (ou seria secando); a aurora ou o lusco-fusco (a fotografia não ajudou muito neste momento) destacando e descortinando o Outro Lado do Rio Coreaú com suas dunas e mangues; um homem pedalando sua bicicleta quase dentro d'água, parecendo posar para o fotógrafo. Quem seria ele? Quando a foto e o cartão foram feitos?
A febre do colecionismo passou. Hoje são outros objetos em evidência, mas, quem quiser adquirir este cartão, único disponível no Mercado Livre, o mesmo se encontra à venda por um vendedor de Londrina, no Paraná. Custa R$ 1,00 mais frete. Quem se habilita a comprar esta relíquia?  Quem comprar, favor entrar em contato com o blog que registraremos.

2 comentários:

  1. Bem amigo, pode até não ser. Mas quando eu trabalhava de fiscal da obras na SEINFRA, teve um período que tive como companheiro o amigo Tobias Jorge dos Santos, morador na Marechal Deodoro. Este uma vez me falou, olhando uma foto igual a esta, salvo engano de um catão telefônico e na ocasião ele me falou que a tal foto seria de seu irmão que também não sei o nome. Se eu estiver errado, alguém me corrija!

    ResponderExcluir
  2. Confirmado! Ao mostrar a foto do catão acima ao amigo Tobias e duas irmãs, ambos confirmaram que o ciclista é realmente o Sr. Paulo José, irmão deles. Ambos são filhos de Dona Gerarda Tobias, já de saudosa memória, que morava na Rua Marechal Deodoro, nesta cidade. Resta saber quando a foto e o cartão foram feitos.

    ResponderExcluir