O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

domingo, 17 de agosto de 2014

O ENGENHO PERDIDO DE GRANJA ( OU CAMOCIM?)

Engenho dos Gouveias. Foto: Emanoel Reis

Esta postagem mostra como os leitores podem colaborar com nossa árdua tarefa de mostrar as coisas de Camocim, seja da cidade ou da zona rural. Recebo e repasso para todos um "achado" do nosso leitor Emanoel Reis. Trata-se das ruínas do que fora um antigo engenho de cana-de-açúcar localizado no povoado de Lusitânia, zona oeste de nosso município. Segundo o leitor que nos enviou várias fotos do local e uma descrição, o engenho funcionava numa "área de um grande  latifúndio pertencente a família dos ''Gouveias''. Logo associei uma coisa na outra, aquele  engenho pertencia a família dos ''Gouveias'' [...] depois conversei sobre o engenho com um  ex-morador da região, que tem 85 anos, perguntei-lhe  se ele sabia aproximadamente quantos anos tinha aquela construção, ele respondeu que sua família chegou naquela região em 1919 e seus pais relatavam que em 1919 já estava desativado [...]Conversei com outros moradores antigos, mas nenhum pode dar uma resposta conclusiva sobre a idade daquela construção, pois ela é mais antiga, que os pais dos moradores mas antigos, acredito eu que a idade cronológica daquele engenho coincida com o fim do Brasil colonial, imperial e a escravidão, mas até agora não tenho uma fonte contundente para afirmar que existiram escravos.  Outra coisa que descobri, é que aquele lugar era habitado por indígenas (Tapuios), e tinha o nome de "Tarraco'', mas com a colonização dos Gouveias, por meio da extração da madeira, monocultura e posteriormente da criação extensiva do gado, excluindo os indígenas do seu projeto de povoamento, o lugar passou a se chamar ''Lusitânia'', nome de origem Portuguesa".

Como se pode concluir, outras histórias poderão complementar a descoberta do nosso leitor. O fato de um engenho encravado no interior do município já revela uma proibição colonial, ou seja, plantar cana-de-açúcar próxima do litoral, além de confirmar a existência de terras férteis para a cultura da cana (massapê) em nosso município a ponto de justificar o funcionamento do engenho. Quando tivermos mais informações sobre este tema, voltaremos ao assunto.





     

3 comentários:

  1. LUSITÃNIA. ESSE DISTRITO PERTENCE A cAMOCIM, OU gRANJA? PENSO SER DE gRANJA. cERTO?

    ResponderExcluir
  2. Cara Menta Souza,
    várias pessoas já me disseram que é de Granja e, acho que é isso mesmo. No entanto, as informações me foram passadas por um leitor e não sei o engenho em questão fica mesmo em território granjense. Mas, logo estarei confirmando a informação!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro Carlos Santos, o engenho está situado em Lusitânia e Lusitânia pertence à Granja. Mas é uma importante descoberta sobre um dos nossos municípios vizinhos. Além do mais Camocim já pertenceu ao município de Granja. Portanto esse conteúdo não poderia deixar de ser publicado em seu importante blog. Agradeço pelo senhor contribuir mais e mais pela riqueza histórica e cultural de nossa querida Camocim.

      Excluir