O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

sexta-feira, 18 de março de 2016

CORRUPÇÃO EM TEMPOS DE SECA EM CAMOCIM

Camocim. Foto: Evandro da Silva Araújo. www.geocities.ws

Não tem jeito, vou ter que entrar no assunto palpitante do momento: CORRUPÇÃO. 
Mas vou entrar pela janela do passado e tentar encontrar a porta do presente nesse caminho labiríntico para compreender esse imaginário, ou essa "cultura" que acaba se transformando numa espécie de identidade do brasileiro. 
Vivemos tempos de seca e o colapso está diante de nós. No entanto, a agenda, a pauta das discussões é quem vai ser o próximo delatado, o próximo escândalo, o próximo espetáculo midiático a atingir velhos e novos políticos.   
No final do século XIX não se tinha todo esse aparato, mas o jornalista já usava de pseudônimos para denunciar os desmandos dos espertalhões que já naquela época, enricavam com a desgraça dos outros. Foi o que fez João Biró em dois momentos:

"Em Camocim todos os mezes são roubadas as cargas que se recolhem  no armazem  da Companhia Maranhense, não só do governo como de particulares". (Jornal A Constituição, Fortaleza-CE, 1878, nº 29, p.3).

"Na Comarca de Granja tem sido grande o esbanjamento  dos gêneros distribuídos aos famintos.
[...] Entretanto, o roubo em Camocim não é menos escandaloso:
Parece incrível a despeza feita com os socorros naquella villa, mas o que é verdade é que nem a centésima parte dos generos e fazendas tenha cabido ás infelizes victimas da secca.
[...] Os vendedores de generos e de gado estão estam associados ao contractante do fornecimento.
[...]A distribuição das fazendas foi feita entre os parentes da sagrada famillia, sem reserva nenhuma. Pessoas abastadas receberam pessas. E falla se em despeza com famintos! (Jornal A Constituição, Fortaleza-CE, 1878, nº 29, p.3).

Talvez nunca saberemos quem foi João Biró. Quanto aos corruptos, esses fazem história e deixam descendentes que continuam fazendo das suas!

Fonte: Jornal A Constituição, Fortaleza-CE 1878, nº 29, p.3; 1878, nº 29, p.3).

Nenhum comentário:

Postar um comentário