O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

sábado, 27 de maio de 2017

ONDE ESTÃO OS PEIXES DE CAMOCIM?

Vir a Camocim e não comer um peixe de "respeito" é a mesma coisa que ir à Roma e não ver o Papa.
Pois bem, hoje, depois de duas idas ao Mercado Público não consegui comprar um peixinho da minha predileção para o almoço. Tive que recorrer à velha e boa carne de gado para o repasto de logo mais. Chegando em casa ao mexer no arquivo, deparo-me com o Anuário do Ceará de 1953-1954. Além das ostras, caranguejos, biquaras, curucas, sardinhas, espadas e tubarão, tínhamos uma variedade de peixes mais nobres, com a quantidade, o valor total e o preço médio de cada espécie, conforme a tabela abaixo:

Anuário do Ceará. Produção de pescado. 1953-1954, p.108-109.
Evidentemente, que nos anos 1950 nosso mar era mais piscoso. Hoje, encontrar um bom coró, o peixe que nos identifica na cultura popular, ou o insuperável cangulo é quase tarefa de gincana. Agora, como disse o meu peixeiro: "Vamos apelar prá amanhã e torcer para o vento colaborar e o pessoal trazer peixe de canoa".

Fonte: UCHÔA, Waldery. Anuário do Ceará. 1953-1954.


Nenhum comentário:

Postar um comentário