O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

sábado, 7 de janeiro de 2012

GEOGRAFIA BOÊMIA DE CAMOCIM - PARTE 1

Outro dia numa mesa de bar, eu, o decano locutor Inácio Santos, o Cabo, garçom, relembrávamos no Bar do Grijalba a sequencia dos nomes do lugar de boemia localizado na esquina das ruas Dr. João Thomé com Humaitá. O lugar, hoje em ruínas, foi, por muito tempo um point da juventude camocinense. Informação prá cá, discussão prá lá, chegamos a um consenso que espero ser o verdadeiro. O lugar teria começado com o nome de Moenda Restaurante, depois Manzuá, posteriormente V-8 e, finalmente, Vereda Tropical. Ressalte-se que as duas últimas denominações teve no comando o amigo Toinho, filho do velho Cazumbi. Bastou isso, para reavivarmos nomes de antigos lugares de boemia e dança, discoteques, forrós, cabarés, dentre outras denominações, que frequentávamos ou não. Puxamos pela memória e saiu o Grêmio São João (onde minha mãe dançou muito!) na Rua Santos Dumont, próximo à antiga Oficina do PQ. Perguntei onde teria sido o tal Clube das Morenas que vi nuns documentos mas ninguém soube informar. Inácio lembra que antes de ser Sítio Forró Legal, o local era chamado de Cascata Clube sob direção do amigo Paparuá. Na mesma rua, ficava o Xangô, administrado pela amiga Barrinha, recentemente falecida. Nomes do passado e de um presente recente se embaralhavam na conversa. Cabo lembrou a Churrascaria Camocim na Rua 03 de Outubro (Rua Antonio Zeferino Veras) que animava as tardes de domingo de Camocim. Eu lembro do Clube do Louvores na mesma rua. Na Rua Perimetral, a turma relembra do Rancho Alegre, Sibonei e Ambrolândia . Não deixamos de lado o bom e velho Clube do Agostinho, local para se ir nas noites de domingo animado pelo Conjunto da Mirian (Faísca Som, Força Total, dentro outros) e Embalo Jovem, perto da Rodoviária, além do  Pala Rock na mesma praça. Foi lembrado as festas animadas pelo "Som do Pedro Carlos", o som mecânico mais aparelhado da década de 1990, mas isso é uma outra história...

6 comentários:

  1. Lembremos, também, do Clube do Cruzeiro, na praça do mesmo nome e sob a direção do sr.Dão, além dos grandes clubes: Camocim Clube, Comercial Clube e Balneário Clube. Agora falando de animação na periferia, existiu, também, o forró da Maria Carimbó, na rua Duque de Caxias próximo à mercearia da sra.Arlete Teles. Bons tempos aqueles!

    ResponderExcluir
  2. Pois é Charles, vem mais aí na parte II, aguarde, pois, a prioridade aqui é mesmo a periferia. Só ressaltando, o Forró da Maria Carimbó não constou da nossa conversa, por isso, agradeço o lembrete e colocaremos na proxima postagem...

    ResponderExcluir
  3. Lembro das glamorosas festas de término de curso, no Camocim Clube, bem como dos bailes de carnaval, também inesquecíveis...

    Fco. Souza

    ResponderExcluir
  4. Existiram, também, o clube da Juventude, na rua 24 de maio próximo à Igreja de São Pedro e o forró do Sindicato dos Estivadores, na confluência das ruas Humaitá com a Independência.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Um point enteressante que não foi lembrado e que era bem frequentado era o restaurante do Sherafim(onde fica localizado o Boa Vista Resort) tinha uma carne assada lá de tirar o folego...rsrsr

    ResponderExcluir