O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

terça-feira, 28 de abril de 2015

A FÁBRICA DE MOSAICO DE CAMOCIM

Mosaicos. Fonte: portuguese.alibaba.com
Navegando pelo facebook deparei-me com um vídeo que mostrava uma fábrica de mosaico que ainda resiste na cidade de Barbalha-CE. Imediatamente, veio-me a lembrança da nossa fábrica que ficava na confluência das ruas da Independência, Paissandu e Marechal Deodoro da Fonseca, ali nas "seis bocas", bem no lugar onde hoje está localizada a Pousada Tropical do nosso amigo Magazine. Durante a semana, passava por lá, posto que era meu caminho rumo ao então Colégio Estadual Padre Anchieta (CEPA), hoje Colégio Estadual Professor Ivan (CEPI). Invariavelmente lançava um olhar para o interior cinzento da pequena fábrica, onde homens de torsos nus manejavam tornos, formas, tinta e cimento. Na sarjeta da casa acanhada que abrigava a fábrica deste ofício que virou arte, uma água colorida pelas tintas usadas para realçar os desenhos dos mosaicos, escorria ao longo da rua, revelando os tons usados no dia, assim como a falta de saneamento básico no final dos 1970 em Camocim.
            Os mosaicos fazem parte das minhas lembranças de adolescente, num tempo em que ter uma casa com mosaico era sinal de status. Quando minha família mudou-se para a Rua do Egito (atua Rua 24 de Maio) em meados da década de 1970, contavam-se nos dedos as casas que tinham ao menos uma sala "emosaicada". A maioria das casas tinham como piso uma espécie de tijolo quadrado, que alguns chamavam de ladrilhos. Quando meu pai melhorou de situação financeira, tratou logo de colocar mosaicos na casa, feitos na fábrica acida referida, com desenhos simples e duros de "dar brilho". Quando mamãe cismava de dar um trato no piso, a operação tomava um dia inteiro de trabalho envolvendo os membros da família e vizinhos. Lavava-se a casa com muita água, sabão e outros produtos ácidos. Depois, era um tal de passar Cera Cachoupa (acho que era assim que se escrevia) com panos de flanela por toda a casa. Á falta de enceradeira, improvisava-se o polimento com panos de sacos maiores onde as crianças menores sentavam em cima e eram puxados pelos maiores. O atrito do pano com o peso da pessoa funcionava como polidor. Era um serviço puxado, mas também de brincadeiras, de apostas das duplas para quem chegava primeiro no final marcado.
            Mas o que me impressionava mesmo era o piso da Igreja Matriz, com seus mosaicos bem trabalhados e rebuscadas formas. Quase sempre me perdia naqueles labirintos de desenhos, buscando conexões geométricas outras, para além do que estava disposto, desde que o Monsenhor José Augusto da Silva deu por terminada nossa Matriz, na primeira década do século XX. Passou-se o tempo do mosaico, ou melhor, outros tipos de piso entraram em moda, facilitando a limpeza e inaugurando outros gostos fundamentados em lajotas monocromáticas e esmaltados brilhantes. Veio um frade que transformou tudo aquilo em pó, retirou o teto de madeira e substitui por PVC e ainda mudou a data da festa do nosso padroeiro Bom Jesus dos Navegantes com a conivência dos conselheiros e dos fieis paroquianos.
            Mas essa crônica quer falar de mosaicos... Ainda bem que em Barbalha, essa arte e ofício não morreu e continua resistente.


Nenhum comentário:

Postar um comentário