terça-feira, 22 de novembro de 2011

OS PEIXES DE CAMOCIM

Camocim terra do peixe! Dentre as características de nossa terra lá fora, a associação com o pescado e frutos do mar é natural. Sempre que voltamos à Camocim nosso desejo, quase instinto é comer peixe, degustar um caranguejo, comprar alguns quilos e encher o isopor para ter na comida uma lembrança da terrinha. Ultimamente essa prática anda bastante maltratada. As condições de compra e venda do peixe na "latada" armada junto ao Mercado Público é ultrajante e higienicamente incorreta. O jeito é recorrer à história e aos bons tempos em que isso não era problema e a fartura do nosso Rio da Cruz era mais pródiga. A matéria abaixo nos deixa com água na boca, como relata o Camocim Jornal, ano III, Nº 75 de 06 de janeito de 1924:

"Peixe entrado no mercado d'essa colônia no período de  18 de novembro a 18 de dezembro de 1923:

Camurupim                                Kilos                     732
Cavalla                                          "                       29
Curvina                                         "                      144
Bagres                                          "                   1.708
Mero                                            "                        58
Pescada cobra                              "                     1.906
Pescada amarela                           "                    2.268
Coró amarelo                               "                         66
Curuca                                         "                        60
Cação                                          "                      120
Serra                                            "                       10
Arraia                                          "                        09
Peixe-pedra                                 "                         39
Carapeba                                    "                         96
Charéo                                        "                         21
Barbudo                                      "                         37
Beijú Pirá                                    "                         17
Parum                                         "                       177
Camurim                                     "                           9
Biquara                                       "                        105
Tainha                                         "                       384
                                                                         ______
Total                                                                 7.995         

Como se pode observar, naquele mês e ano era tempo de pescada amarela., dentre as quase 8 toneladas de pescado posta à venda. Salta aos olhos (e a boca) a variedade nas espécies de peixe, muitas quase extintas das águas do nosso rio, como o bom e velho Coró, nome pelo qual os granjenses nos chamavam pejorativamente (ou carinhosamente); assim como nós os apelidávamos de Cangati. Mas, essa antiga rivalidade transformei em poesia de nome "Cangaró" que publicarei em outro momento.

P.S: Termino a postagem e vou jantar Serra e Tainha, trazida da minha última estada em Camocim.

Foto: tainhanarede.blogspot.com
                                         

Nenhum comentário:

Postar um comentário