O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

SERIE MAPAS - O RIO DA CRUZ

O mapa ao lado é de 1629, desenhado por Albernaz e mostra a costa do Ceará. Contudo, nosso Rio da Cruz, que os modernos o chamam de Rio Coreaú, é descrito em manuscritos antigos, quase cem anos antes. A descrição abaixo é de 1587, feita por Gabriel Soares de Sousa em seu Tratado Descritivo do Brasil em 1587, que circulou pela Europa do Séc. XVI por meio de cópias manuscritas. Uma edição completa dessa obra só veio à lume em 1851, comentada pelo historiador brasileiro Francisco Adolfo de Varnhagen.
Segundo a Introdução da edição de 2010, conta-se que por volta de 1569, Gabriel Soares de Sousa "quando decidiu desmbarcar no litoral baiano, fazia parte de uma frota de três naus, comandada por Francisco Barreto, que partiu de Lisboa em direção a Monomotapa, hoje me Moçambique, com a finalidade de explorar as cobiçadas minas africanas. Não são conhecidas as razões que fizeram com que Soares ali permanecesse em vez de seguir viagem para o Oriente (...) mas é fato que se casou na colônia e fixou moradia em uma região ao sul do Recôncavo Baiano, onde ergueu um engenho de açúcar no rio Juquiriçá". Feito essas considerações ao autor, no capítulo 7 de su obra, descreve nosso rio:

"(...) Das Barreiras Vermelhas à ponta dos Fumos são quatro léguas, a qual está em dois graus e um terço. Dessa ponta do rio da Cruz são sete léguas e está em dois fraus e meio em que também têm colheita os navios da costa. Afirma o gentio que nasce este rio de uma lagoa, ou junto dela, onde também se criam pérolas, e chama-se este rio da Cruz, porque se metem nele perto do mar dois riachos, em direito um do outro, com que fica a água em cruz
". A descrição neste capítulo segue os acidentes geográficos qaté o Rio Jaguaribe.

Mapa: Wikipédia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário