O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

sábado, 4 de junho de 2011

O JOGO DO BICHO EM CAMOCIM

A exploração do jogo do bicho no Brasil, como sabemos, é objeto de polêmica e controvérsia. Em Camocim não é e não foi diferente. Em nossas pesquisas encontramos um processo envolvendo trabalhadores, a própria polícia como agente corruptor e explorador do jogo e a justiça, representada pelo promotor da cidade. Tal processo chegou a ser remetido à Procuradoria Geral do Estado, mas, ao que parece, não surtiu efeitos na exploração da jogatina. No processo, podemos perceber a geografia da exploração do jogo na cidade, descrita com detalhes. Nesse sentido, pode se pressupor que era realmente uma atividade econômica lucrativa, com diversidade de empreendedores e mão-de-obra, afora seu caráter lúdico: " ... que outras pessoas tem banca de jogo no Mercado Público nesta cidade: Antônio Boi Velho, Gerardo Frederico que banca o caipira para o Piragibe Faroleiro do Farol Trapiá do Porto desta cidade, que nesta cidade há uma casa de jogo de azar na qual é encarregado Alberto Queiroz, que na esquina do Mercado Público há outra casa de jogo de azar onde se joga de caipira e baralho (...) que nas Quatro Esquinas, há outra casa de jogo, cujo proprietário o declarante desconhece; que na rua da Praia há outra casa de jogo pertencente a Valdemar Bessa, que é filho do Sr. Inácio Prado; há outra casa de jogo que pertence a Odilon Rocha e está arrendada a Chaga Manelão, onde há jogo de caipira, de baralho, roleta e jogo do Bicho, cuja casa funciona noite e dia, durante as festas e todo dia nos dias comuns; que não sabe que quanto o Delegado de Polícia recebe por esses jogos, mas sabe que o Delegado recebe dinheiro por esses jogos; que Odilon Rocha arrenda por quartoze mil cruzeiros a sua casa de jogo ao Chagas Manelão, não sabendo quanto o Odilon paga ao Delegado.[1]

Na relação dos nomes citados, temos comerciantes, trabalhadores do porto, policiais, assim como das espécies de jogo de azar e o onipresente jogo do bicho. Na atual conjuntura capitalista, o jogo do bicho saiu das mãos de pequenos bancadores e passou para modernos empresários, que em conivência com a polícia e às vezes até com a justiça, continuam a oferecer a prática do jogo, condenado constitucionalmente. Depois de ler esta postagem, vá a banca mais próxima e faça uma "fezinha", quem sabe hoje não é seu dia de sorte?!


[1] Arquivo do Fórum Dr. Alcimor Aguiar Rocha. Autos de Declaração. Nº 768. Ano: 1962. Declarante: Francisco Antônio de Carvalho e outros.

Foto: Internet

2 comentários:

  1. Prezado Prof.Carlos Augusto
    Gostaria de parabeniza-lo pela belissima iniciativa desse blog em divulgar a nossa Historia.
    Graças a Deus temos voce os livros do saudoso Artur Queiroz,Cardeal,Vava,Sotero e outros que nao me vem a memoria.Para contar para nossos filhos,netos o que foi o Camocim do passado.
    Mais uma vez Obrigado Prof.carlos
    Stelio Junior

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Stélio, fazemos o possível para trazer o passado como forma de melhorar o presente e deixar as novas gerações a par de como era nossa comunidade, seus ancestrais, etc.

    ResponderExcluir