O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

sábado, 24 de setembro de 2016

VI SETEMBRO CAMOCIM - VIII. OS PRODUTORES DE LEITE DE CAMOCIM



Ordenha manual de leite. Fonte: sna.agr.br

Camocim também pode ser apresentada como terra de muitas bravuras e recheada de vivências no campo da agroindústria e do comércio local que já foi bem mais aquecido em varias áreas. Na matéria abaixo destacaremos a produção de leite no município e seus principais produtores.
by Juliana Alves dos Santos
Aluna do Curso de História PARFOR/UVA/Camocim

No início dos anos 1980 surgiu o comércio das lactoses que teve local próprio como o conhecidíssimo "mercado do leite" que recebia o produto de várias localidades da região e funcionava com o apoio de grandes vacarias existentes dentro e fora da cidade, bastante conhecidas por terem um potencial apresentados por seus proprietários destacando alguns na zona rural como: Antonio Manoel Veras em Jacarandá, Benedito Barros na Santa Angela, Dr. Wilson na Flamenga dos Reginos, na cidade, o Senhor Lozim no bairro Olinda, Chaga Mendes no Campo de Aviação, Antonio Vieira na Rodagem o Lago, dentre outros que fomentavam esse mercado, dia a dia, de janeiro a dezembro levando aos lares leite de vaca puro e saudável.
Essa produção de leite empregava boa parte dos trabalhadores do campo que envolviam-se nas atividades diárias de forma direta e indireta fazendo plantações e colhendo forragem para alimentação das vacas produtoras e seus filhotes.
No trabalho para a produção de leite, várias outras atividades são realizadas pelo homem do campo como: plantações de capim, de mandioca, cana de açúcar, milho e outras vegetações que pudessem ser incrementada na alimentação dos animais. Umas das maiores novidades da época na região foi a plantação da forragem conhecida como Canarana. Outras pessoas cuidavam diretamente dos animais na alimentação, no conforto com banhos, tratamento de pequenos ferimentos, aplicação de repelentes contra insetos e, claro, na ordenha manual. Esse era um serviço mais técnico porque exige uma maior habilidade pessoal e por isso, de vez em quando gerava desafio entre eles no qual se tornava um fato divertido, outra tarefa bastante empregatícia era a venda do leite porta a porta que ocupava um grande número de trabalhadores com missão árdua levar o leite puro ou não, aos lares camocinenses diariamente, exceto na Sexta- feira da Paixão porque nesse dia os criadores respeitavam a data religiosamente e os animais não passavam pelo o sacríficio da ordenha.
Como dissemos anteriormente, a concentração dessa atividade era no famoso mercado do leite localizado na antiga Rua da Alegria, depois nomeada Rua Senador Jaguaribe e hoje é a Rua José Maria Veras, onde chegava o produto de varias vacarias da região, com uma movimentação intensa desde às quatro horas da manhã. Homens chegavam com grandes e pequenas quantidades de leito de vaca, transportados por animais ou de bicicletas fazendo barulho, brincando, dando risadas dizendo prosa na tão formosa Rua da Alegria.
No inicio dos anos 1990 surgiu em Camocim a venda de leite da Indústria Lassa de Sobral que começou a enfraquecer esse comércio, aumentando a oferta e barateando o produto local que levou os produtores a entrarem em colapso diante do contexto comercial, tendo que parar praticamente a produção de leite camocinense.


Fonte oral:
Sr.Luizim, leiteiro, 73 anos, Fazenda Lago Seco.Camocim-CE.



Nenhum comentário:

Postar um comentário