O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

domingo, 27 de fevereiro de 2011

NO TEMPO DAS AMPLIFICADORAS


Domingo, dia de ir à missa, vestir a melhor roupa. Quem sabe ir à sessão do sindicato (salineiros, portuários, estivadores) e depois tomar umas bicadas na bodega da esquina. À tarde assistir uma partida de futebol no Estádio Fernando Trévia entre Cruzeiro e Santos ou esperar alguém no trem das cinco vindo de Fortaleza e aproveitar e se deliciar com o espetáculo da Fonte Luminosa. À noitinha, antes de ir à alguma tertúlia, forró, maxixe dar umas pernadas na Praça Pinto Martins e ouvir os sucessos do momento direto das bocarras do "Sonoro Pinto Martins" e os anúncios e mensagens amorosas na indefectível voz de Gerardo Brito.

Nostalgia pura. No entanto, essa era a rotina de um camocinense de décadas atrás. Mas, o queremos evindenciar na matéria é a existência dos Sonoros Pinto Martins, Voz de Camocim, dentre outras amplificadoras que marcaram época na cidade como canais de comunicação e entretenimento local. Se hoje temos a internet e nela os blogs, twitters e sites da vida, num tempo pretérito, eram as amplificadoras que faziam a festa e a interação de jovens e adultos. Neste sentido, queremos destacar o trabalho intitulado "A CIDADE NAS ONDAS DO RÁDIO - Memórias e Histórias dos Serviços de Alto-Falantes de Camocim. [1], do Prof. Carlos Manuel do Nascimento [2].

Ele nos diz da importância dessas amplificadoras para a cultura local e localiza historicamente seu início:

(...)É nessa atmosfera cultural da cidade que as amplificadoras estavam situadas. Sua presença no meio urbano não se dava de forma passiva e imperceptível; as músicas, as notícias e a comunicação irradiada pelos serviços de alto-falantes provocam nas pessoas um clima de nostalgia, motivação e interação social. Este instrumento sonoro que produzia um circuito de comunicação que envolvia a cidade fincava raízes na história da comunicação local, tornando-se assim os precursores do rádio em Camocim.

(...)A primeira experiência do povo camocinense com um serviço de alto falante, ocorreu por volta do ano de 1939 em virtude da chegada do “grande circo FREKETI”. O circo armou sua arena na Praça da Matriz, nas proximidades da casa de João Pascoal de Melo, causando de imediato grande impacto e animação na cidade, pois a mesma nunca recebera uma arena circense de tamanha amplitude e com múltiplas atrações.

Tenham um bom domingo!


Foto: Desfile de 07 de setembro. In: A CIDADE NAS ONDAS DO RÁDIO - Memórias e Histórias dos Serviços de Alto-Falantes de Camocim.


[1] Monografia apresentada ao Curso de História da Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA, sob a orientação da Profº. Dr. Carlos Augusto Pereira dos Santos. Graduação. Sobral-CE. 2009. Tenham um bom domingo

[2] Licenciado em História pela Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA. Professor da rede estadual e municipal de Camocim-CE.

2 comentários:

  1. Sem dúvida, Os Serviços de Alto-Falantes de Camocim foram de grande valia e utilidade para a dinâmica sociedade dos camocinense das décadas de 1940-1970. Mergulhar neste universo nostalgicamente cultural é conhecer uma bela face da cidade até então não registrado pela historiografia local (acho que posso usar este termo). Fico grato pela publicação deste trabalho, sobretudo porque é fruto de um trabalho produzido a partir da memória coletiva e da ação de grandes precursores do rádio local.
    Profº. Carlos Manuel do Nascimento

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita Carlos e breve estaremos explorando mais seu trabalho que tive o prazer de orientar

    ResponderExcluir