O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

domingo, 10 de abril de 2011

ALBUQUERQUE & CIA - PARTE 2


O exercício da história é complicado, principalmente se não fomos testemunha dos fatos. Mesmo sabendo que a memória é construída também pelo presente, mediante nossos interesses e que nem sempre os documentos, assim como a memória, não são exatamente a expressão daquilo que o historiador alemão Leopold Von Ranke propugnava como "o que realmente aconteceu". Neste sentido, recebo reparos sobre a postagem "ALBUQUERQUE & CIA"do comentarista Osmundo Campos que foi um homem que viveu à epoca da sua existência, cujas informações, reputo serem mais críveis que as postadas anteriormente. Como quase nada do que publiquei se sustenta diante da memória privilegiada do Sr. Osmundo Campos, preferi publicar na integra seus comentários, do que apenas respondê-lo. Desde já concito os comentaristas a ajudar-nos nessa intensa tarefa de historiar fazendo seus reparos, pois, ninguém é dono da verdade, muito menos da história. Segue o texto recebido pelo blog:

Meu amigo Carlos Augusto. O prédio mostrado, ilustrando a matéria, nunca foi sede de Albuquerque & Cia, firma da qual me orgulho de ter participado em companhia de meu saudoso Pai, Oswaldo Campos. Eduardo Normando de Albuquerque nunca foi sócio da mesma. Eduardo fazia parte da Firma: Viúva João Ramos & Cia. Ltda., sucessora de João da Silva Ramos & Cia, Ltda. A Sede de Albuquerque & Cia. era em outro tambem antigo prédio, criminosamente demolido e hoje em seu lugar existe uma casa moderna, pertencente a familiares do Sr. José Gomes Parente (Gato Preto), que também fez parte de Albuquerque & Cia. E ainda: O Lloyd Brasileiro, era representado em Camocim por V. Morel & Cia., tendo como Gerente o Sr. Júlio Morel e seu escritório era no prédio onde estabeleceu-se o Sr. Fernando Trévia. Albuquerque & Cia, agenciava outras Empresas de Navegação Marítima, entre elas a SNAAPP; BOOTH (Brasil) Ltda. e Cia de Navegação das Lagoas e Cia. Baiana de Navegação. Nos arquivos da Associação Comercial de Camocim, não consta que o Sr. Eduardo Normando tenha sido seu Presidente, a não ser que conste nos livros de atas , do periodo 1936 a 1969, que estão desaparecidos e que a atual direção está procurando. Quem souber de seus paradeiros, favor entrar em contacto com a mesma. Mais um reparo: O Sr.Eduardo Normando , segundo me consta ,era Adjunto de Promotor ou Promotor Ad hoc e não Juiz-Substituto. Um abraço do Osmundo Campos.

6 comentários:

  1. Prof.Carlos Augusto o texto do comentarista Osmundo Campos me trouxe dúvidas,pois quando criança com sete anos de idade estive por diversas vezes no prédio (que é o da foto )onde funcionava o armazém do meu padrinho Eduardo Normando de albuquerque.Segundo o Sr.Osmundo:"(...)a sede de Albuquerque&Cia era em outro também antigo prédio...". Com esta declaração do comentarista de duas uma,ou o Sr.Eduardo não dirigiu a firma Albuquerque&Cia ou sua firma que funcionou no prédio em questão teve outra razão social.Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Exatamente com tinha postado anteriormente, tenho uns panfletos de ambas as firmas e a Albuquerque e cia realmente funcionava no predio onde o amigo Osvaldo campos citou, inclusive já constatei em fotos. já a firma do João Ramos com toda certeza era nesse conjunto de lojas onde está a livraria do vavá, tanto os panfletos dizem isso como depoimentos orais de pessoasm que trabalharam pro Joao Ramos.

    ResponderExcluir
  3. Sr Osmundo campos desculpe o erro dos nomes. uma dúvida a Albuquerque e cia parou suas atividades em que ano? na minha papelada nao consegui descobrir isso ainda e a da viúva do Joao Ramos?

    ResponderExcluir
  4. Pois é Grafando a Luz, não tenho documentos como o Fábio, nem o testemunho de época do Sr. Osmundo Campos. O que postei foi o que recolhi de memória de segunda mão e de uma foto onde o Sr. Eduardo Normandia posa na porta do prédio em questão. De qualquer maneira, esperemos um comentário do Sr. Osmundo Campos...

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. ALBUQUERQUE & CIA., foi fundada na cidade de Camocim, no ano de 1888, por membros da tradicional família Sabóya de Albuquerque da cidade de Sobral-CE. Entre eles: José Sabóya de Albuquerque, Massilon Sabóya de Albuquerque, Ernesto Marinho de Albuquerque Andrade e Vicente Sabóya de Albuquerque, com o objetivo dos ramos de: Comissões, Consignações, Representações, Agência de Vapores e mais negócios, sendo sua sede no prédio pertencente à família e localizado à Praça Epitácio Pessoa, nº 1, esquina da Rua da Praia, que depois passou a chamar-se Praça 15 de novembro com nº 2, localização conhecida como Praça da Estação, tendo durado até 31 de dezembro de 1930.
    No dia 28 de outubro de 1931, Vicente Sabóya de Albuquerque por seu Procurador o Dr. José Sabóya de Albuquerque e o Sr. Eurípides Ramos Fontenelle, resolveram unirem-se em sociedade e reerguerem a Firma ALBUQUERQUE & CIA, que estava com suas atividades suspensas e com a mesma finalidade inicial. Contrato social da mesma data e registrado pela Junta Comercial do Estado do Ceara em data de 04 de fevereiro de 1932 sob nº 3037. Assinam como testemunhas no documento o Dr. Raimundo Cela e Sr. José Trevia
    Nos anos 1940, e 1941, ALBUQUERQUE & CIA, passou por varias modificações em sua estrutura acionaria , sendo admitido como sócio o Senhor Ernesto Marinho de Albuquerque Andrade, Oswaldo Gonçalves Campos (que passou a adotar o sobrenome - Albuquerque, bem como retirou-se o sócio Vicente Sabóya de Albuquerque tudo de acordo com os aditivos de contrato nos 3504 e 4682 devidamente registrados na JCEC.
    Em 1943, pelo aditivo nº 3555, é feito um destrato parcial da mesma, quando se retiram os sócios: Eurípedes Ramos Fontenelle e Ernesto Marinho de Albuquerque Andrade, permanecendo o sócio Oswaldo Gonçalves Albuquerque Campos e é admitido como novo sócio o Senhor José Gomes Parente.
    O aditivo nº 10.680 de 22 de novembro de 1949, admite como sócia a Srta. Maria Lúcia Barreto Parente.
    Pelo aditivo nº 12.041 de 12 de agosto de 1952 retiram-se da firma, os sócios José Gomes Parente e Maria Lucia Barreto Parente e é admitida como sócia a Senhora Maria Assunção Rodrigues Campos. Em 10 de junho de 1955, pelo aditivo nº 13. 840, é admitido como sócio o senhor Osmundo Rodrigues Campos
    Em 07 de abril de 1965, o aditivo nº 26.758, registrado na JCEC aumenta o capital da firma Albuquerque & Cia., para Cr$ 3.300.000,00 (Três milhões e trezentos mil cruzeiros)
    A firma ALBUQUERQUE & CIA, encerrou suas atividades em 31 de dezembro de 1969, porém somente em 31 de dezembro de 1971, foi oficializada a sua baixa no Cadastro Geral de Contribuintes, conforme Certidão nº 120/77 de 28 de junho de 1977, passada pelo Posto da Receita Federal de Camocim-CE.
    Espero ter contribuído para esclarecer sobre a polêmica ALBUQUERQUE & CIA,.
    Enviarei ao proprietário do blog foto onde se vê parte do prédio onde funcionava a firma e claramente a placa com o nome da mesma. Esta Placa que é de cobre encontra-se em poder de nossa família. Também enviarei um impresso que comprova o endereço.

    Osmundo Campos

    ResponderExcluir