O Blog:

Amigos e conterrâneos camocinenses, a gente só dar o que tem. Quando pensamos editar um blog, este foi o pensamento: doar todo nosso esforço na construção de uma ferramenta como esta para a divulgação pura e simples da nossa história. Contudo, essa é uma oportunidade de todos participarem desta empreitada, seja comentando, sugerindo, corrigindo e, efetivamente, participando dessa grande viagem que a História nos proporciona. Que nosso "POTE" nunca encha e sacie a todos!!!

segunda-feira, 25 de abril de 2011

ALBUQUERQUE & CIA - PARTE 3


Recebi e-mail esclarecedor do leitor do blog Sr. Osmundo Campos, tirando dúvidas a respeito da postagem que motivou vários comentários. Creio que a polêmica se estabeleceu por uma confusão com o nome da empresa com a firma comercial de mesmo nome - ALBUQUERQUE, que não correspondia à pessoa citada na matéria, no caso o Sr. Eduardo Normandia Albuquerque. Infelizmente não recebi ainda a imagem que o Sr. Osmundo Campos ficou de mandar, mas, de qualquer forma fica o registro, que espero esclareça em definitivo a questão. Confira o texto abaixo do leitor acima citado:


ALBUQUERQUE & CIA., foi fundada na cidade de Camocim, no ano de 1888, por membros da tradicional família Sabóya de Albuquerque da cidade de Sobral-CE. Entre eles: José Sabóya de Albuquerque, Massilon Sabóya de Albuquerque, Ernesto Marinho de Albuquerque Andrade e Vicente Sabóya de Albuquerque, com o objetivo dos ramos de: Comissões, Consignações, Representações, Agência de Vapores e mais negócios, sendo sua sede no prédio pertencente à família e localizado à Praça Epitácio Pessoa, nº 1, esquina da Rua da Praia, que depois passou a chamar-se Praça 15 de novembro com nº 2, localização conhecida como Praça da Estação, tendo durado até 31 de dezembro de 1930.
No dia 28 de outubro de 1931, Vicente Sabóya de Albuquerque por seu Procurador o Dr. José Sabóya de Albuquerque e o Sr. Eurípides Ramos Fontenelle, resolveram unirem-se em sociedade e reerguerem a Firma ALBUQUERQUE & CIA, que estava com suas atividades suspensas e com a mesma finalidade inicial. Contrato social da mesma data e registrado pela Junta Comercial do Estado do Ceara em data de 04 de fevereiro de 1932 sob nº 3037. Assinam como testemunhas no documento o Dr. Raimundo Cela e Sr. José Trevia
Nos anos 1940, e 1941, ALBUQUERQUE & CIA, passou por varias modificações em sua estrutura acionaria , sendo admitido como sócio o Senhor Ernesto Marinho de Albuquerque Andrade, Oswaldo Gonçalves Campos (que passou a adotar o sobrenome - Albuquerque, bem como retirou-se o sócio Vicente Sabóya de Albuquerque tudo de acordo com os aditivos de contrato nos 3504 e 4682 devidamente registrados na JCEC.
Em 1943, pelo aditivo nº 3555, é feito um destrato parcial da mesma, quando se retiram os sócios: Eurípedes Ramos Fontenelle e Ernesto Marinho de Albuquerque Andrade, permanecendo o sócio Oswaldo Gonçalves Albuquerque Campos e é admitido como novo sócio o Senhor José Gomes Parente.
O aditivo nº 10.680 de 22 de novembro de 1949, admite como sócia a Srta. Maria Lúcia Barreto Parente.
Pelo aditivo nº 12.041 de 12 de agosto de 1952 retiram-se da firma, os sócios José Gomes Parente e Maria Lucia Barreto Parente e é admitida como sócia a Senhora Maria Assunção Rodrigues Campos. Em 10 de junho de 1955, pelo aditivo nº 13. 840, é admitido como sócio o senhor Osmundo Rodrigues Campos
Em 07 de abril de 1965, o aditivo nº 26.758, registrado na JCEC aumenta o capital da firma Albuquerque & Cia., para Cr$ 3.300.000,00 (Três milhões e trezentos mil cruzeiros)
A firma ALBUQUERQUE & CIA, encerrou suas atividades em 31 de dezembro de 1969, porém somente em 31 de dezembro de 1971, foi oficializada a sua baixa no Cadastro Geral de Contribuintes, conforme Certidão nº 120/77 de 28 de junho de 1977, passada pelo Posto da Receita Federal de Camocim-CE.
Espero ter contribuído para esclarecer sobre a polêmica ALBUQUERQUE & CIA,.
Enviarei ao proprietário do blog foto onde se vê parte do prédio onde funcionava a firma e claramente a placa com o nome da mesma. Esta Placa que é de cobre encontra-se em poder de nossa família. Também enviarei um impresso que comprova o endereço.

Osmundo Campos

3 comentários:

  1. Carlos augusto, quero deixarr meu apelo aqui para a atual situação dos casaroes comerciais do periodo de ouro do camocim. tantos predios ja sumiram como da albuquerque e cia, joao da silva ramos e cia, luduvico e cia.... outros agonizam sem nenhuma atitude de salvamento por parte de seus proprietarios, só pra enumerar alguns: vicente de paula aguiar e cia, que parte do teto está caindo, carneiro e veras, predio da alliança da bahia, esse o teto ja caiu, empresa de algoodao, o teto também já caiu, Alfredo coelho e cia, esse a familia está só esperando cair pra dividir e vender o terreno entre outros. uma coisa, vc sabe identificar os locais onde funcionaram firmas como0: niicolau e carneiro, luduvico e cia, horacio pessoa e cia, veras e cia, thomaz zeferino veras... estou a pensar em fotografar esses casaroes ainda existentes e descobrir onde funcionavam essas emprensas.

    ResponderExcluir
  2. Boa empreitada e inicativa, Fábio. Colaboro naquilo que puder e souber

    ResponderExcluir
  3. Prof.Carlos Augusto,acredito que a polêmica está encerrada. Eduardo Normando era Albuquerque más não participou da firma Albuquerque&Cia.Fui testemunho ocular que o local de trabalho do Sr.Eduardo foi exatamente no prédio(já demolido)mostrado na foto.Um abraço.Nagibe Melo

    ResponderExcluir