Páginas

terça-feira, 28 de agosto de 2018

CAMOCIM SEDUTOR




Agosto terminando, setembro chegando e eu me preparando para mais um SETEMBRO CAMOCIM aqui no CAMOCIM POTE DE HISTÓRIAS. Neste ano de 2018 será a OITAVA edição desta seção que comparece todo mês de setembro, desde 2011. Não sei se vocês perceberam, mas, neste ano, venho produzindo poucas postagens. MOTIVOS: me resguardando para setembro, além da sobrecarga de serviços (alguns filhos nasceram neste 2018 e outros ainda estão por vir). Além do mais estarei presente todos os finais de semana do próximo mês em Camocim, pois ministrarei a disciplina de História do Brasil I na turma de História/PARFOR/UVA/ Camocim. E neste esquenta para o mês vindouro, vou me apropriando de textos dos colegas. Desta vez, do poeta INÁCIO SANTOS com o soneto SEDUÇÃO. Com sua permissão, caro poeta:
Porto das Balsas. Camocim. 2017. Foto: Flydrone.

SEDUÇÃO

É o mar que adentra o rio
Ou o rio que adentra ao mar
É uma incógnita este desafio
Ninguém consegue explicar

E neste embate aguerrido
De força e de grandeza
Exprime todo o sentido
De luz. magia e beleza

Também não há explicação
Da indescritível emoção
Que se apodera de mim

Meu coração se faz mar
Lá aonde vai desaguar
Meu lindo rio Camocim.

Inácio Santos

Fonte: Facebook. Acesso em 28/08/18.

sábado, 11 de agosto de 2018

JULIO CICERO MONTEIRO. BIOGRAFIA

Júlio Cícero Monteiro. Camocim. 1922. Fonte: O Malho, 1992, ed.1049, p.31

Já escrevemos sobre Júlio Cícero Monteiro (JUCIMON) em várias postagens neste blog. Ipuense de nascimento, mas foi em Camocim onde exerceu várias atividades. Desta vez, reproduzimos uma mini-biografia que mostra um pouco mais de sua profissão de jornalista.

Julio Cicero Monteiro - Filho de José Monteiro da Silva Moral e Dona Delphina Gonçalves da Silva Braga, nasceu em Ipu a 18 de Janeiro de 1867.

Dedicou-se aos estudos de linguística e ao folclore, foi charadista e decifrador de mérito e atividade.
Desde muito criança começou a escrever em jornaizinhos, que ele mesmo caligrafava.
Com Manoel Coelho fundou o jornalzinho manuscrito Paladino, órgão da sociedade “Paladinos do Progresso”, e foi um dos redatores do O Globo, que existiu em 1887 — 1888 na cidade de Maranguape e no qual publicou artigos e versos, que assinava sempre com pseudônimos. Passando-se para Parangaba, fundou o Club Literário Democrático, dali passou-se para Fortaleza onde fundou O Bilontra, e de novo para Ipu onde fundou O Ipuense.
Empregado superior no Escritório Central da Estrada de Ferro de Camocim, Julio Monteiro teve em nossa cidade exercido vários cargos, como o de membro do Conselho Escolar, ajudante do procurador da República, e vereador da Câmara Municipal.
Foi presidente do Gabinete Camocinense de Leitura, fundado a 12 de Janeiro de 1913. Escreveu em 1893 um “Primeiro Livro de Leitura”, que foi approvado por Acto de 22 de Março da Junta de Instrucção Publica do Rio de Janeiro.

Fonte: Dicionário Bio-bibliográfico Cearense. Barão de Studart.



sábado, 4 de agosto de 2018

RELIGIOSOS DE CAMOCIM. MONSENHOR JOSÉ AUGUSTO DA SILVA

Monsenhor José Augusto da Silva. Fonte: arquivo do blog.
Apesar de não ter nascido em Camocim, a história de vida do Pe. José Augusto da Silva está intrinsecamente ligada à nossa cidade. Chegou em nossa cidade como padre em janeiro de 1906, nomeado para reger a Freguesia de Camocim  e saiu como monsenhor. Construiu a nossa Igreja Matriz de Bom Jesus dos Navegantes, fincou aqui as bases do credo católico em todas as suas dimensões, criando associações pias e atendendo ao povo camocinense em momentos difíceis, como as secas. Empreendedor nato, foi o primeiro prefeito do município de 1919 a 1920. Hoje é nome de escola na cidade