quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

O ARTISTA EVANMAR MOREIRA E A CENSURA

   


Garota Contagiante. Música de Evanmar Moreira.




 Quem viveu no período entre 1964-1985, isto é, no regime militar que descambou no que se convencionou chamar-se ditadura civil-militar e trafegava no mundo das artes, com certeza se deparou com a Censura exercida pelo Departamento de Polícia Federal. Toda e qualquer manifestação artística tinha que passar pelo crivo deste departamento, sem alar dos censores que atuavam diretamente nos jornais, revistas, rádios e televisões.

    A historiografia é farta em mostrar o efeito desta censura nos grandes órgãos de comunicação do período e dos grandes nomes da Música Popular Brasileira mais conhecidos (Chico Buarque, Gilberto Gil, Caetano Veloso, só para citar estes). No entanto, pouco a pouco, a história vem recuperando os impactos dessa censura sobre os artistas populares tidos como "bregas", como Odair José, Fernando Mendes, Agnaldo Timóteo, Waldick Soriano, dentre outros.

    Mas, como dito no início, toda e qualquer peça artística tinha que ser aprovada com o carimbo da Divisão de Censura e Diversões Públicas. Nas telas da TV e do Cinema antes da exibição dos filmes era comum aparecer o certificado de liberação deste órgão.

        No caso das músicas, as letras eram previamente submetidas ao censor de plantão. A mais famosa censora do Brasil foi a Sra. Solange Hernandes.

 "Ela entrou para a história como a censora mais célebre do país ao comandar entre 1981 e 1984 uma máquina de vetos e cortes em produções artísticas, quando chefiou a Divisão de Censura de Diversões Públicas (DCDP). Rigorosa contra tudo o que, na visão dela, atentava contra a moral, os bons costumes e a ordem política, passou a tesoura em milhares de obras artísticas no período. Foi até “homenageada” em letra de de música de Léo Jaime (Solange, uma releitura de So Lonely, da banda inglesa The Police). 

"Vem Dançar". Música de Evanmar Moreira. 

        Justamente neste período surgiu em Camocim o cantor e compositor Carlos Evanmar Moreira (Evanmar), o primeiro na cidade a gravar um disco (compacto) pela gravadora paraense GRAVASOM (Gravasom Comercial Fonográica e Publicidade Ltda). Mas qual é a relação disso com aquilo? Como qualquer mortal, Evanmar teve também que submeter suas letras para aprovação da censura.

    Com a abertura dos arquivos, hoje é possível consultar os processos da gravadora de Evanmar pedindo liberação das músicas. No documento base desta postagem, podemos ter acesso as duas primeiras letras de autoria do nosso cantor: "Vem Dançar" e "Garota Contagiante" e outros detalhes como a expedição de sua carteira de identidade pelo estado do Piauí, o que revela que, quando ele oi para o vizinho estado, ainda não possuía este documento de identidade.

    Aos 21 anos, Evanmar tem sua trajetória artística atravessada pela censora Solange Hernandes. Nos processos oriundos do Pará, no mesmo despacho ela aprova as músicas de Evanmar, mas, para não perder a viagem, censurou a música "COMPETIÇÃO" de autoria de Ari Santos e Egídio 'Cardoso, com base no Art. 19 c/c 79 do Decreto no 1.077/790 e art. 77 do Regulamento aprovado pelo Decreto no 20.493/46, tendo em vista que seus versos exteriorizam temática contrária a moral e aos bons costumes, em linguagem maliciosa, com dubiedade de sentido e imprópria a boa educação do povo.

    Evanmar gravaria um outro compacto posteriormente, mas não encontramos nenhum processo relativo a este segundo disco, o que pressupõe que talvez já tenha sido após 1985, quando a censura já abrandava e o país saía do regime militar.


Fonte: Arquivo Nacional. Divisão de Censura e Diversões Públicas. Carlos Evanmar Moreira. br_dfanbsb_ns_cpr_mui_lmu_21071_d0001de0001 

https://veja.abril.com.br/coluna/maquiavel/quem-foi-dona-solange-a-maior-censora-de-artes-do-pais-antes-de-bolsonaro

    

quinta-feira, 25 de janeiro de 2024

ORAÇÃO PARA CAMOCIM APARECER

 



Capa do Livro Oração para Desaparecer, da escritora cearense Socorro Acioli. Cia. das Letras, 2023.


         Acabei de ler "Oração para Desaparecer", da escritora cearense Socorro Acioli. Desde o premiadíssimo romance "A Cabeça do Santo" que Socorro Acioli já tinha dito a que veio na cena literária brasileira e internacional. Na mais recente Festa Literária Internacional de Paraty - FLIP 2023, "Oração para Desaparecer" e "Cabeça de Santo", foram o primeiro e o terceiro livros mais vendidos.
    No entanto, Socorro Acioli não az literatura para "vender" ou estar entre os mais "vendidos". Como ela mesmo já disse em suas entrevistas: 

"Se minha alegria depender de ganhar prêmio ou de estar na lista de mais vendidos, acabou. Não ia dar mais certo, ia ser uma porcaria. E, infelizmente, a gente vê isso acontecendo com alguns trabalhos e artistas”.
    
    Ao escrever para a sua felicidade, pelo puro prazer de escrever, Socorro Acioli também faz a alegria de muita gente como eu e, acredito, de muitos camocinenses, por se identificar com sua escrita, de ver as tradições e os costumes do povo tremembé no enredo de suas histórias, de suas lendas pulsando em cometimentos poéticos e literários.
    Deste modo, desde o cavalo marinho estampado na capa e nas breves resenhas que acompanharam a divulgação da obra "Oração para Desaparecer" que eu intuíra que algo de Camocim estaria naquela história. Não deu outra. A ocorrência do cavalo marinho (Hippocampus reidi  em nosso litoral, o soterramento da vila de Tatajuba, a Ilha do Amor, o rio Coreaú estão no livro para dar sentido ao enredo principal da obra.
    Eu que vivo procurando Camocim nos manuais de História do Brasil, encontrei na melhor literatura publicada hoje no país, pelas mãos de Socorro Acioli. Eu até já mandei prá ela as notícias dos roubos do Menino Jesus dos presépios daqui. Uma grande presepada!!!

Fonte:https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/verso/oracao-para-desaparecer-novo-livro-de-socorro-acioli-e-carta-de-amor-a-almofala-ceara-e-portugal-1.3453544.
 
  

quinta-feira, 4 de janeiro de 2024

O REISADO DE CAMOCIM

 

Reisado em Camocim. 2023. Fonte: Arquivo do blog.

E O REISADO VOLTOU...

Hoje,  3 de janeiro de 2023 foi dia do Reisado visitar a Rua Marechal Floriano
Um grupo de católicos brincantes reviveram um pouco da tradição do reisado que em Camocim estava quase extinto. 
Abri a porta e acendi a luz para um grupo novo e rejuvenescido por jovens de várias faixas etárias. 
Isso é bom porque mantém a chama viva das nossas manifestações culturais e religiosas. 
A última vez que tinha feito este gesto de abrir a porta e acender a luz tinha sido para a Dona Maria do Campo e um pequeno grupo que lhe acompanhava para não deixar morrer a festa.
Que bom que o reisado voltou!!!

A partir desta postagem no Facebook, vários comentários oram eitos, relembrando alguns aspectos desta manifestação folclórica e religiosa da nossa tradição cultural. Reproduzimos abaixo alguns destes comentários:

Inácio Santos
Outrora o tradicional grupo de reisado, ao som do solo de trombone do saudoso Benone, assim abordavam as famílias:
" Senhor dono da casa / abra a porta por favor / que do céu está caindo / uma grinalda de flor."

Francisco Olivar 
Acordar na madrugada com os cantos '' Oi de casa, nobre gente ,acordai ,..........,não tem preço,participei talvez do último que foi do 1974. Parabéns ao grupo.

Carlos Augusto Santos
Francisco Olivar, os grupos de reisados vão se revezando ao longo do tempo. Há uns 30 anos que a tradição vem sendo mantida pela Dona Maria do Campo. Hoje, devido a problemas de saúde ela não sai mais. O reisado vem sendo assumido por grupos ligados à Igreja Católica. Neste ano, a revitalização está a cargo da Renovação, com bastante gente jovem. Na verdade, o reisado nunca morreu, estava apenas adormecido...

Paulo Chibata
"O Deus salve casa santa aonde Deus fez a morada, Aonde mora Cálice Bento e a Hóstia consagrada"...

Charles Nunes de Melo
Lembro-me desta cantada quando o morador nada ofertava: "Vou-me embora, vou-me embora, pois aqui não volto mais, esta casa é maldita, nela mora o satanás."

Vida longa ao reisado de Camocim!