Páginas

sexta-feira, 30 de abril de 2021

UM FERROVIÁRIO MAIS DO QUE CENTENÁRIO

José Ferreira dos Santos aos 102 anos. 2016. Fonte: Camocim Online.



Hoje 30 de abril comemora-se o Dia do Ferroviário. Como uma cidade que já foi ferroviária, Camocim tem uma grande memória dos "tempos do trem", seja pela íntima relação que a história do município associada à Estrada de Ferro de Sobral, seja pelas lembranças dos habitantes que viveram neste tempo e, principalmente, dos ferroviários que trabalharam nesta estrada por quase um século.
Neste sentido, por ocasião da data comemorativa, o nosso dever de sempre lembrar dos tempos idos se irmana com a trajetória de vida de um destes guerreiros dos caminhos de ferro - José Ferreira dos Santos (1914-2000), mais conhecido entre nós como o Sr. Zé dos Santos.
Coincidentemente, hoje, chafurdando nos arquivos em busca de fontes sobre a militância integralista na cidade, deparei-me com uma nota do ano de 1937 no jornal A Razão, publicado em Fortaleza, onde o nosso longevo ferroviário aparece como secretário da Sociedade Ferroviária de Camocim, mostrando que o mesmo estava envolvido não somente em desenvolver a contento seu trabalho na ferrovia, mas, também antenado com a perspectiva de melhores condições que poderiam advir com o associativismo dos trabalhadores



A  nota, assinada pelo secretário, Sr. José Ferreira dos Santos, logicamente se refere à Associação Beneficente Ferroviária que tinha sido fundada em 1932 que, naquele ano de 1937, informava sobre a posse da nova diretoria da associação para o biênio 1937-1938, que ficou assim constituída:

Presidente: Lamberto de Oliveira Sales.
Vice-presidente: Manoel Pinheiro da Rocha
Secretário: José Ferreira dos Santos
2º Secretário: Luis Gonzaga Viana.
Tesoureiro:  José Araújo Tavares.
2º Tesoureiro: Francisco Xavier Fontenele.

A todos os ferroviários a nossa homenagem!!!

Fonte: 
Jornal A Razão. Fortaleza-CE. 1937. edição 194, p.05.







 


 

sábado, 17 de abril de 2021

NOSSOS LUGARES ANTIGOS. CAMOCIM HOTEL

 


Ruínas do antigo "Camocim Hotel". Camocim-CE. 2018. Fonte. https://www.google.com/maps.


Quem passa hoje pela rua Engenheiro Privat em Camocim, defronte ao número 174, dependendo de quem for, terá recordações diferentes. Pode ir desde a sensação de descaso com o patrimônio material da cidade, da situação de um terreno central inaproveitado, ou mesmo, associar o antigo "Camocim Hotel", com a figura de sua proprietária, Dona Ambrosina Félix, que por muito tempo foi empresária no ramo da hotelaria na cidade, oriunda do então distrito de Barroquinha. 

Recibo de estadia no Camocim Hotel. 1972. Fonte: Arquivo do blog.

Por outro lado, as fontes históricas permitem afirmar e imaginar narrativas múltiplas sobre a história de qualquer objeto de pesquisa. Se a simples análise do recibo acima não nos permite saber quem era ou o que estava fazendo em Camocim durante os dias 22 a 25 de maio de 1972 o inspetor Alberto Barboza de Moura, pode-se afirmar que a autoridade fazia questão de associar seu nome à função policial. Sua rubrica no recibo, endossando  a despesa, sugere que a proprietária deveria receber o valor correspondente de alguém ou de uma entidade, como a Câmara ou a Prefeitura Muncipal. Uma coisa é certa, a diária no melhor hotel da cidade, que nesta época se situava defronte do local que hoje se encontra em ruínas (nº 101), custava Cr$ 15,00 (quinze cruzeiros). É um pequeno registro do cotidiano que pode levar a outras histórias.

Fonte: google.com/maps.

quinta-feira, 15 de abril de 2021

O CENTENÁRIO DO VOO PIONEIRO DE PINTO MARTINS


Capa do cordel"O Voo do nosso herói. Vitória Clemente da Costa e Vitória Caroline Delmito. Escola Fco. Ottoni Coerlho. Professor Orientador: Eudivan Teixeira.


"Euclydes Pinto Martins/ Filho de Antônio e Maria/ Nasce em quinze de abril/ Numa grande calmaria/ O nosso super-herói/ que aos céus voaria". 

129 anos atrás, nascia em Camocim, Euclydes Pinto Martins. Trinta anos depois, em 1922 ele desceria à sua terra natal como tripulante do avião Sampaio Correia II no voo pioneiro entre Nova Iorque - Rio de Janeiro. Com esta atitude, Pinto Martins inscreveu na história dois fatos: conhecer a terra onde nascera  (ainda récem-nascido sua família emigrara para o Rio Grande do Norte) e colocar Camocim no mapa da história da aviação brasileira.

A memória do feito do avidor camocinense ganhou as páginas de jornais e revistas do país. Depois da sua morte, essa memória denominou grupos, ruas, escolas, campos de pouso e aeroportos. Em 1952 o aeroporto de Fortaleza passou a denominar-se AEROPORTO PINTO MARTINS, depois, com a internacionalização, AEROPORTO INTERNACIONAL PINTO MARTINS. Atualmente, a empresa alemã que administra o aeroporto, num ataque à história cearense e brasileira, retirou o nome e as poucas reações não deram em nada.

Cópia da lei que denomina de Aeroporto Pinto Martins, o aeroporto do

 Cocorote, em Fortaleza-CE.

Em Camocim, foi instituído por Lei do Executivo, o 15 de abril como DIA DE PINTO MARTINS. Geralmente na semana em que ocorre a data referida, as escolas do município realizam atividades referente ao ilustre conterrâneo e ao feito aeronáutico. Nestes tempos de pandemia, não sei se foram ou se serão realizados algo semelhante. Por outro lado, já há algum tempo, a praça Pinto Martins está tomada pelos permissionários do Mercado Público que está em reformas e, até mesmo, a estátua, se encontra cercada por boxes improvisados.

Afora as disputas e negação da memória em torno de Pinto Martins no Ceará, uma outra efeméride se avizinha, que é O CENTENÁRIO DO VOO PIONEIRO NOVA IORQUE-RIO DE JANEIRO a ser celebrado no próximo ano. Pensamos que desde já, pode-se planejar uma série de eventos que marcarão a data ligada à Pinto Martins em nosso município. Já fizemos algumas gestões ao poder municipal no sentido de bem comemorarmos este marco da aviação brasileira, com sugestões de atividades oriundas do Coletivo de Historiadores de Camocim, que durante este mês serão melhor explicitadas.

Fontes: 

1. Cordel. O Voo do nosso herói. Vitória Clemente da Costa e Vitória Caroline Delmito. Escola Fco. Ottoni Coerlho. Professor Orientador: Eudivan Teixeira.

2. Fotografia: Capa do cordel O Voo do nosso herói. Vitória Clemente da Costa e Vitória Caroline Delmito. Escola Fco. Ottoni Coerlho. Professor Orientador: Eudivan Teixeira.

3. Documento: Cópia da lei que ednomina de "Aeroporto Pinto Martins", o aeroporto do Cocorote em Fortaleza. Fonte: Câmara dos Deputados. PL. 361.1951.