Páginas

sábado, 27 de outubro de 2018

CARTAS DE CAMOCIM


Camocim, 31 de março de 1988.

Caro Dr. Sócrates,


Só agora, superado meus medos, posso contar-lhe algo que vi quando tinha sete anos, aqui mesmo em Camocim na Rua General Tibúrcio (só agora sei que esse Tibúrcio foi aquele que lutou na Guerra do Paraguai, nascido em Viçosa, e não o Tibúrcio Cavalcante que vai no endereço dessa carta). Usarei nomes inventados nesta missiva.Pois bem, como o doutor sabe, desde criança moro nessa rua, quando ainda ela era um imenso areal e a casa que se distinguia era aquela que ficava dentro do sítio do Sr. José Guilherme. Outro ponto a destacar nessa rua de casas baixas e pobres era um "munturo" que ficava na esquina, defronte da bodega do Libório. Pois bem, a imagem que não me sai da cabeça e agora está voltando fortemente nos meus sonhos, vinte anos depois, é a de um policial conduzindo um homem pela rua em pleno meio dia, açoitando-o, de mãos amarradas para trás e de cabeça raspada. Atrás deles, algumas crianças gritando ruidosamente. Depois vim a saber que se tratava de um ritual rotineiro quando a polícia prendia aqueles ladrões de galinha de então... Mas, o meu problema se agravou, doutor. depois que descobri recentemente que aquele mesmo policial era o delegado local que vez por outra ia até a Baiúca, uma casa de rende-vous que ficava no final da rua, quase esquina com a João Pessoa, com dois pés de ficus benjamim na frente, com a intermediação da cafetina dona do local, desvirginar menores para o seu deleite sexual, com promessas de comida e vestido. Só para exemplificar, acho que o senhor conhece, as duas filhas do Quelemente lá das Flamengas sucumbiram à tara do delegado. A irmã do Zé Valente das Moreias, também foi engabelada pelas promessas dos dois. Quando foi embora daqui, o tal delegado pavoneava: - Só em Camocim tirei cabaço de mais de cem! Não sei se foi castigo, mas ele veio a morrer mês passado, de morte tão horrível que não sei como descrever... Talvez por isso esteja lhe contando somente agora.
Do seu fiel paciente...

P. S. Estou pensando em parar com os remédios....
Foto: Rua General Tibúrcio. Fonte: Google.

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

O VERBETE "CAMOCIM"



Capa do Diccionario Topographico do Império do Brasil. 1984.
Numas destas noites que a insônia chega sem avisar, costumo buscar raridades sobre Camocim no grande oráculo Google. Desta vez, o incômodo foi recompensado e, antes que eu caísse nos braços de Morfeu, deparei-me com o Diccinario Topographico do Imperio do Brasil, obra publicada em 1834. 
O verbete Camocim.

Com avidez, busquei o verbete CAMOCIM, no entanto, o mesmo nada continha sobre o então distrito da Barra do Camocim. A referência era sobre o Rio Camocim que nascia na Ibiapaba e desaguava no Oceano Atlântico, trazendo informações sobre sua localização e limites. Não foi o que eu esperava, mas valeu, mesmo porque, antes do trem, parecíamos apenas ser água e sal...

Fonte: Dicionário Topográfico do Império do Brasil, 1834.

domingo, 7 de outubro de 2018

ELEIÇÕES EM CAMOCIM. HÁ 106 ANOS ATRÁS!

Camocim. Dia de Eleições. 1912. Fonte: Revista da Semana, RJ.


Hoje, 07 de outubro de 2018. Dia de eleições gerais no Brasil para escolha de presidente, governador, senador, deputados federal e estadual. Depois de uma campanha cheia de comédias, tragicomédia, de atos burlescos e até reações que nos deixam aterrorizados diante do que pode estar por vir, os cidadãos aptos vão às urnas fazer suas escolhas. Que pelo menos o dia de hoje não seja marcado por arbitrariedades e que todos possam exercer seu direito legitimamente, sem pressões e/ou outros expedientes escusos.
106 anos atrás, portanto, em 1912, uma imagem que, se não revela a tranquilidade do que era uma eleição no século passado, passa, para a cobertura do fato naquele tempo, um evento que se torna "aspectos cearenses", sem maiores problemas e pacatez. Sem dúvida, naquela época, as tensões e interesses eram outros e em outras proporções.
Da foto, fica registrado o modo de como se ia votar, o cruzamento das atuais rua 24 de Maio com Independência e alguns prédios que não existem mais. Ainda se pode ver a Casa Coelho, antigo prédio da Rádio Pinto Martins e parte da casa da viúva do Sr. Hamilton Rocha.
Bons votos!

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

CAMOCIM. PEDAÇO DO PARAÍSO


O mês de setembro passou, mas, celebrar Camocim deve ser tarefa diária. Através da minha aluna Rozangela Oliveira Ribeiro do Curso de História/PARFOR/UVA/Camocim chegou-me esta poesia que compartilho com os leitores do blog Camocim Pote de Histórias.
Praia das Barreiras. Camocim. 2018. Foto: Adauto Gouveia M. Júnior (facebook).

PEDAÇO DO PARAÍSO 

Camocim terra pacata
 Onde muitos visitam 
Cidade de lindas praias 
E muitos pontos turísticos . 
Tua beleza nos basta 
Mas sempre queremos mais 
Quem esta cidade visita 
Dela não esquece jamais.
 Tu és orgulho 
Pra todo cearense 
E temos mais orgulho ainda 
De sermos 
Camocinense. 
Temos a praia das Barreiras
 O bonito Maceió 
O grande Lago Seco 
Com sua beleza maior. 
Existe o Lago das Cangalhas 
Com sua natureza total 
Que é o Paraíso das Águas 
De beleza original. 

SILVA BRITO